Após polêmica no Vaticano, McDonald's ajuda a combater a fome de moradores de rua em Roma

Um grupo de cardeais protestou junto ao Papa contra locação de prédio para o McDonald's. (Reuters)
Por Isla Binnie e Antonio Denti
ROMA - O McDonald's teve uma recepção morna quando abriu uma nova filial a poucos passos da Praça São Pedro no mês passado, mas nesta segunda-feira a rede de fast food aceitou um desafio ao adotar um dos princípios de maior preocupação do papa Francisco: o combate à fome.
O novo restaurante, cuja inauguração em um prédio do Vaticano em 30 de dezembro irritou alguns puristas, doou dezenas de refeições nesta segunda-feira para a caridade que as distribui em uma clínica ambulatorial em Roma.
O papa Francisco fez da defesa aos pobres e necessitados um pilar de seu papado, criando cabines de chuveiros para moradores de rua nos arredores do Vaticano, oferecendo refeições e até visitas em estilo VIP à Capela Sistina.
Nesta segunda-feira (16), moradores de ruas e pessoas necessitadas foram receber seus cheeseburgers duplos, maçãs e garrafas d'água.
Pierfrancesco Spiga, morador de Roma de 46 anos que perdeu seu emprego como jardineiro e agora dorme em uma residência administrada por uma cooperativa, disse que outras companhias deveriam imitar a iniciativa.
"Seria bom se estas companhias multinacionais dessem comida no final do dia para pessoas pobres que não tem nenhuma, ao invés de jogá-la fora", disse Spiga.
Alguns cardeais desaprovaram o aluguel do prédio no Borgo Pio à rede norte-americana pelo Vaticano e disseram que o espaço seria melhor usado para dar abrigo aos necessitados.
O McDonald's que não comentou sobre a iniciativa, prometeu mil refeições que serão distribuídas pela instituição de caridade Medicina Solidade durante os próximos seis meses.
Leia também:

Reuters

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU