Combate à mortalidade materna e neo-natal

As parteiras devem incentivar as parturientes a terem o parto na maternidade
Cinquenta parteiras tradicionais, representantes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e médicas participaram esta semana numa formação no município angolano de Viana, em Luanda. Promovida pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher, a iniciativa foi um meio para «capacitar as parteiras na prestação dos cuidados aos recém-nascidos e às mulheres».


Na abertura do seminário, Helena Vaz de Almeida, Administradora Municipal Adjunta para a Área Política Social e das Comunidades, salientou que «apesar dos esforços realizados para melhorar a saúde materno-infantil, Angola ainda possui altas taxas de mortalidade materna e neo-natal».


«Perto de metade destas mortes ocorre nas casas e esta situação faz com que seja importante envolver líderes e prestadores de cuidados de saúde, em especial as parteiras tradicionais, em ações de promoção da saúde e prevenção de doenças», evidenciou e responsável.


Helena de Almeida destacou que as parteiras «devem apoiar o encaminhamento das mulheres grávidas para as consultas pré-natais, incentivarem as parturientes a terem o parto na maternidade e a frequentarem as consultas pós-parto e do recém-nascido».


«Nós, a administração, entendemos que o trabalho dos atores de saúde a nível da comunidade é de grande valia e acreditamos que este trabalho possa potencialmente salvar muitas vidas de mulheres e crianças no nosso município», disse a responável, citada pela agência Angola Press.


Sob o lema «Nascer com registo», o seminário foi uma ocasião para abordar assuntos relacionados com «a importância da parteira tradicional na comunidade e no sistema de saúde», «cuidados primários de saúde, higiena, cuidados com a malária na gravidez, assistência ao parto, importância do registo de nascimento» e suas formas de obtenção.

Fátima Missionária

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Deus, alimento e remédio