EUA: Aprovada lei que impede financiamento de abortos com dinheiro de impostos

Capitólio em Washington D.C., sede da Câmara de Representantes e o Senado dos Estados Unidos. Foto: Flickr Sam Bowman (CC BY-NC 2.0).
(ACI).- aborto”, a qual proíbe permanentemente que o dinheiro dos impostos dos norte-americanos seja destinado à prática de abortos. A Câmara de Representantes (deputados) dos Estados Unidos aprovou ontem, por 238 votos contra 183, o projeto de lei HR-7, conhecido como “Lei de não financiamento do contribuinte ao 
Segundo uma pesquisa de Marist Poll publicada em 23 de janeiro, 6 de cada 10 norte-americanos são contra financiar abortos com dinheiro de impostos.
O novo projeto de lei, se finalmente for aprovado pelo Senado e assinado pelo presidente Donald Trump, também evitaria que os abortos sejam cobertos sob a Lei de Proteção do Paciente e Cuidado de Saúde Acessível, conhecido como “Obamacare”, a reforma de saúde promulgada pelo ex-presidente Barack Obama em 2010.
Em um comunicado publicado ontem, Paul Ryan, presidente da Câmara de Representantes, sublinhou que “somos um Congresso pró-vida” e assinalou que o projeto de lei aprovado “protege a consciência dos contribuintes americanos, assegurando que nem sequer um dólar do seu dinheiro irá financiar abortos”.
Enquanto “centenas de milhares de americanos se dirigem a Washington para a Marcha pela Vida” no dia 27 de janeiro, disse, “nunca devemos esquecer que defender todo o nosso povo – especialmente os indefesos – deve ser a nossa prioridade se quisermos uma nação boa e moral”.
Por sua parte, a congressista Diane Black, principal impulsionadora do projeto de lei, recordou durante o debate na Câmara de Representantes que, “como mãe, avó e enfermeira durante mais de 40 anos, esta medida é especialmente significativa para mim”.
“Durante os anos que trabalhei na área da saúde, vi a alegria nos olhos de jovens pais quando viam seu bebê recém-nascido pela primeira vez. Segurei nas mãos de esposos e crianças que sofriam ao dizer o último adeus a um ente querido. E, tristemente, vi uma jovem mulher perder sua vida devido aos efeitos de um aborto fracassado”.
“Estas experiências formaram a minha opinião de que toda vida é um precioso dom de Deus”.
Depois do resultado da votação, a congressista Black assegurou em sua conta de Twitter: “Hoje a Câmara ficou do lado da vida”.
Tony Perkins, presidente do Family Research Council (Conselho de Investigação da Família), elogiou a votação em um comunicado e sublinhou que, “depois de uma eleição na qual os votantes escolheram um presidente pró-vida e um Congresso pró-vida, nossa nação está avançando por uma nova era, na qual todos os seres humanos, nascidos e não nascidos, são protegidos pela lei”.
“O aborto não é cuidado da saúde e não deve ser financiado, pois sabemos que o financiamento do governo incrementa o aborto. Aprovar este projeto de lei é uma vitória tanto para os contribuintes, como para as mulheres e seus filhos não nascidos”.
Perkins incentivou o Senado a aprovar este projeto de lei “para assegurar que o governo já não gaste mais dinheiro, dinheiro que o povo ganha duramente, em seguros com abortos eletivos”.
“Devemos rezar e trabalhar para acabar com o aborto nos Estados Unidos até que toda criança seja bem-vinda ao mundo e protegida com as nossas leis. Acabar com o financiamento de abortos com dinheiro dos contribuintes é um bom primeiro passo nesta viagem”, concluiu.

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU