Feira de livros usados chega ao universo virtual

No último fim de semana antes do início das aulas, a movimentação foi grande em vários locais, como na Praça dos Leões ( Foto: Reinaldo Jorge )
A busca pela compra, venda e troca dos livros escolares vem ganhando um movimento diferente das habituais feiras espalhadas pela cidade. A correria do dia a dia e a necessidade de uma vida cada vez mais prática vem levando muitos cearenses a fazer esse tradicional mercado escolar pelas redes sociais, especialmente pelo aplicativo para smartphone Whatsapp.
É o caso da empresária Suyanne Cavalcante, 36, que resolveu criar um grupo no aplicativo para venda e troca de livros em geral, mas acabou adaptando a ideia quando percebeu que a demanda pelo material didático era muito grande no começo do ano. O que começou pequeno, com um especifico grupo de mães, segundo diz, hoje se expandiu para toda a escola do filho e até para pais e mães de outras instituições.
Rotatividade
"A ideia foi se espalhando pelos links e até quem não pensava em vender os livros dos filhos resolveu participar. O grupo está lotado, e quando eles conseguem os livros vão saindo para outros entrarem. A rotatividade é muito grande" O principal benefício, conforme conta, é a economia de tempo, já que dispensa a pesquisa de campo feito nas feiras e lojas espalhadas pela cidade. "Além disso você pode negociar em qualquer dia. Você pode estar numa praia, em um domingo, e tratar sobre isso. Outra coisa boa é que pelo Whatsapp a gente já mostra as condições dos livros, se estão em bom estado".
A iniciativa também foi adotada pelo instrutor educacional de cursos profissionalizantes Marco Cesar de Aragão, 47, que resolveu vender os livros paradidáticos dos filhos para ajudar na compra dos novos. A ideia de usar as redes sociais "foi unir a necessidade com uma oportunidade efetiva, já que mantenho dois expedientes no trabalho e ainda cursa faculdade".
Praça dos Leões
Muitos pais e filhos ainda buscaram os livros didáticos e paradidáticos em feiras, no último fim de semana. Na Praça dos Leões, compra e troca de livros eram negociadas com preços até 50% menores, se comparado ao valor do item novo em livrarias. Além da feira na Praça dos Leões e dos eventos promovidos pelos próprios colégios, o Shopping RioMar Kennedy e Papicu também estão com espaços destinados à compra, venda e troca de mais de 2 mil livros escolares.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

A linguagem do amor

Garimpeiro do conhecimento

História do transporte de passageiros é contada em Centro Cultural da Fetrans

Museu da Fotografia Fortaleza realiza nesta quinta (17) palestra sobre a imagem contemporânea

Aposentadoria por idade será aprovada por internet e telefone