Feira de livros usados chega ao universo virtual

No último fim de semana antes do início das aulas, a movimentação foi grande em vários locais, como na Praça dos Leões ( Foto: Reinaldo Jorge )
A busca pela compra, venda e troca dos livros escolares vem ganhando um movimento diferente das habituais feiras espalhadas pela cidade. A correria do dia a dia e a necessidade de uma vida cada vez mais prática vem levando muitos cearenses a fazer esse tradicional mercado escolar pelas redes sociais, especialmente pelo aplicativo para smartphone Whatsapp.
É o caso da empresária Suyanne Cavalcante, 36, que resolveu criar um grupo no aplicativo para venda e troca de livros em geral, mas acabou adaptando a ideia quando percebeu que a demanda pelo material didático era muito grande no começo do ano. O que começou pequeno, com um especifico grupo de mães, segundo diz, hoje se expandiu para toda a escola do filho e até para pais e mães de outras instituições.
Rotatividade
"A ideia foi se espalhando pelos links e até quem não pensava em vender os livros dos filhos resolveu participar. O grupo está lotado, e quando eles conseguem os livros vão saindo para outros entrarem. A rotatividade é muito grande" O principal benefício, conforme conta, é a economia de tempo, já que dispensa a pesquisa de campo feito nas feiras e lojas espalhadas pela cidade. "Além disso você pode negociar em qualquer dia. Você pode estar numa praia, em um domingo, e tratar sobre isso. Outra coisa boa é que pelo Whatsapp a gente já mostra as condições dos livros, se estão em bom estado".
A iniciativa também foi adotada pelo instrutor educacional de cursos profissionalizantes Marco Cesar de Aragão, 47, que resolveu vender os livros paradidáticos dos filhos para ajudar na compra dos novos. A ideia de usar as redes sociais "foi unir a necessidade com uma oportunidade efetiva, já que mantenho dois expedientes no trabalho e ainda cursa faculdade".
Praça dos Leões
Muitos pais e filhos ainda buscaram os livros didáticos e paradidáticos em feiras, no último fim de semana. Na Praça dos Leões, compra e troca de livros eram negociadas com preços até 50% menores, se comparado ao valor do item novo em livrarias. Além da feira na Praça dos Leões e dos eventos promovidos pelos próprios colégios, o Shopping RioMar Kennedy e Papicu também estão com espaços destinados à compra, venda e troca de mais de 2 mil livros escolares.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU