Padre Fortea se despede do falecido escritor e roteirista de O Exorcista

Captura de vídeo do Exorcista / Pe. José Antonio Fortea
(ACI).- O escritor norte-americano William Peter Blatty, autor da obra ‘O Exorcista’ e roteirista do filme homônimo, faleceu em 12 de janeiro de 2017, aos 89 anos. O teólogo espanhol José Antonio Fortea, autor da ‘Summa Daemoniaca’ e ‘Exorcística’, recordou o impacto do texto e do filme, até mesmo para muitos “que não acreditam em milagres nem em nada extraordinário”.
William Peter Blatty, nascido em 7 de janeiro de 1928, publicou ‘O Exorcista’ em 1971. Seu livro chegou a ser um dos mais vendidos do ‘New York Times’ durante 17 semanas e vendeu mais de 13 milhões de exemplares somente nos Estados Unidos.
Em seguida, Blatty adaptou o seu livro para o roteiro do filme ‘O Exorcista’, dirigido por William Friedkin, e ganhou o Oscar por este trabalho.
Em ‘O Exorcista’, Blatty se inspirou no caso real de um menino de Saint Louis, Missouri (Estados Unidos), conhecido com os pseudônimos de “Roland Doe” e “Robbie Mannheim”. O menor ficou possuído pelo demônio depois de brincar com o tabuleiro da ouija.
Em declarações ao Grupo ACI, Pe. Fortea recordou que, depois de ‘O Exorcista’, “Blatty não voltou a escrever nenhuma obra famosa a não ser este livro, que deu origem ao filme”, enquanto “o diretor do filme, Friedkin, não voltou a dirigir nenhum filme memorável em toda a sua vida”.
“Dá a sensação de que Deus escolheu este escritor e este diretor para ter um êxito mundial que recordasse nos anos setenta a realidade da existência do demônio e do poder do exorcismo”, indicou.
“Sem exagero, podemos afirmar que o que todo mundo soube acerca do exorcismo durante uma geração foi o que assistiram neste filme”.
O Pe. Fortea assinalou que apenas “trinta anos depois começariam a aparecer outros filmes sobre o mesmo tema”, entretanto “a sua qualidade foi muito inferior, com exceção do filme ‘O exorcismo de Emily Rose’”.
Segundo o teólogo espanhol, “Deus escolheu dois desconhecidos, através deles surgiu uma obra cinematográfica que é um clássico e, depois que esta missão foi realizada, voltaram à escuridão”.
“Para realizar os seus planos, Deus pode escolher qualquer pessoa, elevá-la às alturas e devolvê-la ao seu lugar”, indicou.
“É interessante o poder de um filme. Muitas pessoas – na verdade, milhões no mundo inteiro – que não acreditam em milagres, nem em nada extraordinário, entretanto, ficaram profundamente impressionadas e estavam abertas à possibilidade de que houvesse ‘algo’”, recordou.

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU