Pele de tilápia é usada como alternativa de tratamento em vítimas de queimaduras

Cinquenta e seis pacientes do Núcleo de Queimados do Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza, receberam um novo tratamento desenvolvido a partir da pele do peixe tilápia

Foto: Núcleo de Queimados
Cinquenta e seis pacientes do Núcleo de Queimados do Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza, receberam um novo tratamento desenvolvido a partir da pele do peixe tilápia.

O desenvolvimento de um curativo biológico com base em animais aquáticos é inédito no mundo e já se encontra em fase de testes em seres humanos, sendo a técnica precursora utilizada no tratamento de pacientes do Núcleo de Queimados do IJF. A pesquisa vem sendo realizada há dois anos e meio, no Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC)) e com participação de pesquisadores do Ceará, de Pernambuco e Goiás.
 
O coordenador da pesquisa, o médico Edmar Maciel, explica: ”Trata-se de um curativo biológico temporário com o objetivo de fechar a ferida evitando a contaminação de fora para dentro, a desidratação e as trocas diárias de curativos, que ocasionam desconforto e dor aos pacientes, e, em consequência reduz os custos do tratamento.O procedimento é utilizado em queimaduras de 2º grau profundo e 3°grau.

 Pesquisa
Logo nas primeiras etapas do estudo, a utilização clínica do pele da tilápia mostrou-se propícia, tendo em vista as semelhanças do material com a pele humana, como grau de umidade, alta qualidade de colágeno e resistência. Testes em animais terrestres também descartaram possíveis riscos de contaminação com a nova técnica que, de acordo com os realizadores, tem mais poder de cicatrização que os métodos convencionais e ainda é capaz de reduzir a sensação de desconforto, dor, perda de líquido e ocorrência de infecção.

Resultado
A dona de casa e empresária Neusa Brasiliano relata uma experiência positiva com o tratamento. Sua filha Letícia, em janeiro de 2016, sofreu um acidente e queimou parte de seu corpo com gasolina. Queimadura de 3° grau. O atendimento e acompanhamento foi realizado no IJF. Letícia foi uma das pacientes que utilizou o curativo com a pele  da tilápia. “Seria urgente uma reconstituição de pele na barriga da minha filha. E isso nos causava muito sofrimento.No começo ficamos apreensivas quanto ao resultado, mas, graças a esse tratamento não foi necessário uma cirurgia de enxerto de pele”, comemora aliviada dona Neusa.

Serviço
Instituto de Apoio ao Queimado
Rua Visconde de Saboya 75 Centro - Fortaleza

Com informações do Núcleo de Queimados do IJF
Boa Notícia

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU