Pesquisa desenvolve analgésicos com veneno extraído de sapo-cururu e cascavel

O Ceará vem despontando no que diz respeito a inovações na área de Biotecnologia. Um desses exemplos é a pesquisa que conseguiu desenvolver novos analgésicos para o tratamento de dores neuropáticas a partir de substâncias da biodiversidade do Nordeste

Foto: Chico Gomes / Secitece
O Ceará vem despontando no que diz respeito a inovações na área de Biotecnologia. Um desses exemplos é a pesquisa que conseguiu desenvolver novos analgésicos para o tratamento de dores neuropáticas a partir de substâncias da biodiversidade do Nordeste.

O projeto é executado pela empresa Genpharma, beneficiada com recursos do Programa de Apoio à Inovação Tecnológica nas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Estado do Ceará (Tecnova-CE). A empresa realizou a coleta de substâncias naturais dos venenos de animais típicos nordestinos.

Um desses compostos obtido por síntese foi prospectado a partir da telocinobufagina, uma substância do veneno do anfíbio Rinhella jimi, popularmente conhecido como sapo-cururu. O outro composto foi prospectado a partir do veneno da serpente Crotalus durissus cascavella: a cobra Cascavel.

Os compostos produzidos no Ceará estão isentos dos graves efeitos da morfina, tais como dependência, depressão respiratória e euforia.
 
Mais potentes que a morfina
Ambos os anestésicos apresentaram potência analgésica sobre a dor de cerca de 100 a 200% superior à da morfina, além de boa absorção por via oral.

Uma outra vantagem dos compostos produzidos no Ceará é que por não serem substâncias opioides (derivadas do ópio) estão isentos dos graves efeitos da morfina, tais como dependência, depressão respiratória e euforia.

Os analgésicos estão em processo de patente. “Eles apresentaram propriedades que permitem o desenvolvimento de novos fármacos a partir de pequenas moléculas obtidas através de uma síntese fácil, rápida e mais barata”, explica o responsável pela empresa Genpharma, Krishnamurti Carvalho.

O Tecnova-CE teve fundamental importância para o sucesso da pesquisa e para o incremento no número de projetos ligados à Biotecnologia no Estado. O programa foi concluído em dezembro de 2016 e financiou empresas de base tecnológica em setores estratégicos.

Ao todo, foram aportados para os projetos beneficiados recursos da ordem de R$ 20 milhões, oriundos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Governo do Ceará. O programa foi coordenado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), com execução da Fundação Astef, Rede de Incubadoras de Empresas do Ceará (RIC) e Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

Com informações do portal do Governo do Estado do Ceará


Boa Notícia

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU