Prisões Brasileiras

Grecianny Carvalho Cordeiro*

No primeiro dia do ano de 2017, duas facções criminosas entram em conflito e dão início a uma sangrenta rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, culminando com a morte brutal de 60 presos. Além disso, mais de uma centena de presos conseguiu fugir.

Essa foi a segunda maior chacina em um estabelecimento prisional, depois do Massacre do Carandiru, em 1992.

O Massacre no Compaj serve para mostrar o que todos nós sabemos e fingimos não saber e, em especial, o que o Estado brasileiro, a União e as Unidades Federadas sabem e fingem não saber, porque não quer e não se importa.

No Brasil, as prisões continuam com os mesmos problemas de décadas atrás: superpopulação carcerária, más condições dos presos, péssima infraestrutura, dentre outras mazelas.

No entanto, no Brasil de hoje, a problemática penitenciária se agrava em virtude da infiltração e do domínio do crime organizado, por meio de várias facções criminosas, a exercerem o poder de mando no interior dos presídios brasileiros, de norte a sul, de leste a oeste, nas capitais e no interior.

O Estado perdeu o controle total e absoluto dos presídios para a criminalidade organizada. Isso é fato. Embora não possa o Estado assumir sua incompetência em gerir os estabelecimentos penitenciários, em propiciar um correto e adequado cumprimento da pena prisional, que dirá, em possibilitar a ressocialização do preso, para que cumpra sua pena e retorne ao convívio da sociedade.

Então alguns Estados inventaram de contratar empresas privadas para gerir prisões, a pretexto de: ser mais barato, mais eficiente, humanizar a pena, oferecer serviços dignos aos presos, tais como: alimentação, atendimento médico, odontológico e jurídico, melhor infraestrutura, etc.

A privatização, terceirização ou cogestão de administração de presídios por empresas privadas (como se queira chamar), em diversos Estados mostrou ser cara, ineficiente, incapaz de humanizar a pena, de oferecer uma boa infraestrutura aos presos e bons serviços...

A rebelião da Compaj, em Manaus, deixa isso claro.

E mais, uma das empresas administradoras de presídios contribuiu com considerável quantia para a candidatura do governador do Amazonas!

Num país em que o público e o privado possuem uma relação promíscua, em que empresas financiam campanhas políticas, partidos e candidatos, por que seria diferente no âmbito prisional?

Esse filme nós conhecemos muito bem, não é mesmo?
     
*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU