Campus Party Brasil abre com falhas na estrutura

As falhas, no entanto, não parecem diminuir o ânimo dos campuseiros, que vão encarar cinco dias de programação praticamente ininterrupta. (Agência Estado)
Com uma forte sensação de calor e diversos problemas na infraestrutura, a Campus Party Brasil, principal evento de tecnologia e inovação do país, abriu suas portas nessa terça-feira (31), em São Paulo. As falhas, no entanto, não parecem diminuir o ânimo dos campuseiros, que arrastavam suas malas para acampar no evento e encarar cinco dias de programação praticamente ininterrupta, com 750 palestrantes.

Segundo a organização do evento, a explicação para os problemas está no dinheiro - ou, mais precisamente, na falta dele. "Queríamos ter propaganda ao redor de todo o Anhembi, tapete cobrindo toda feira e até trazer o Mark Zuckerberg, fundador do Facebook", afirmou Francesco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party. "Mas não tem como fazer isso tudo com a verba que temos."

De acordo com os organizadores, o orçamento estimado para a edição de 2017 é de R$ 22 milhões. A verba cresceu nos últimos anos, segundo o Instituto Campus Party - o Estado solicitou o valor de 2016, mas a dado não foi informado até o fechamento desta edição.

Para quem está dentro do Pavilhão de Exposições do Anhembi, é difícil ignorar alguns problemas. O principal é a sensação constante de calor, já que a área do evento não tem ar-condicionado, mas só com ventiladores. Outra falha é a ausência de conexão Wi-Fi, o que dificulta a vida dos campuseiros que querem usar smartphones.

Na semana passada, o diretor-geral da Campus Party justificou a falta da conexão de internet sem fio. "Wi-Fi é coisa do futuro. Só teremos isso quando atingir a mesma velocidade da internet por cabo, de 40 Gbps", afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo.

No entanto, a internet cabeada também enfrentou instabilidade no primeiro dia. Ela foi prejudicada pelo roubo de 2 quilômetros de fibra óptica da Telebrás, empresa de economia mista responsável pela infraestrutura de rede e uma das principais patrocinadoras do evento. "O prejuízo não foi financeiro, mas de cronograma", disse o diretor da operadora, Ribamar Mendes. O cabeamento teve de ser refeito às pressas para não prejudicar a Campus Party.

Além disso, uma parte da Campus Party - em especial a área aberta ao público - não tem revestimento no chão, item básico em qualquer feira realizada no Anhembi. Por isso, o piso ficou desnivelado, o que torna mais difícil a circulação dentro da feira.

Sem filas

Em 2017, a Campus Party não teve a tradicional fila, ao contrário de anos anteriores. "No passado, eram mais de 500 pessoas esperando para entrar", disse Iordan Neris, 25 anos, desenvolvedor de games. "Estranho a décima edição começar vazia."

Até o fim do primeiro dia do evento, a maior parte das barracas estavam vazias, o que indica que o número total de campuseiros no evento ainda está longe dos 8 mil anunciados pela organização. "Os campuseiros devem chegar a partir de amanhã (quinta-feira, 2)", disse Novaes.

No primeiro dia, apesar das falhas, os campuseiros mostraram sua animação com o tradicional grito de guerra, que ecoava no pavilhão do evento, despertando aqueles que, por ventura, estivessem desanimados ou cansados.

Para o técnico de informática Rafael Ferreira, 34 anos, a feira mostrará que pode ser um sucesso na madrugada desta terça-feira. "Se as pessoas se animarem na madrugada, é um indicativo de que a feira será um sucesso", disse o veterano de Campus Party. "Nos anos em que a primeira madrugada foi morna, o evento foi ruim."

"Problemas de infraestrutura fazem parte da Campus Party", afirmou o veterano Alexandre Ferreira, 32 anos, que frequenta todas as edições da Campus há nove anos. "Algumas vezes faz calor demais, outras frio demais, mas o importante é aproveitar para fazer amigos e se divertir." 

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Nomofobia: O medo de desconectar

Fundação Edson Queiroz realiza mostra de arte

Documentário sobre 'impeachment' de Dilma no Festival de Cinema de Berlim

"Um erro, uma barbárie, uma desumanidade", diz Vargas Llosa sobre a pena de morte

Solenidade de posse do Dr. Régis Frota, na Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza