BIENAL DO LIVRO 2017

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Nos dias 14 a 23 de abril, ocorre a XIII Bienal do Livro do Ceará.
“Cada pessoa um livro; o mundo, a biblioteca”, é o tema escolhido para um dos eventos literários mais importantes do país.

Porque cada um de nós realmente é um livro ambulante, cujas histórias escrevemos a cada dia, na vivência do cotidiano, com pitadas de dores e amores, de tristezas e alegrias, de incongruências e complacências, com a heterogeneidade que somente o ser humano é capaz, diferente e igual, completo e por inteiro, na dualidade eterna do viver.

Porque o mundo é uma imensa e maravilhosa biblioteca, cabendo-nos escolher os livros que pretendemos ler e, por meio deles, adquirir conhecimento, inteligência, sabedoria, para usar como bem nos aprouver, afinal, somos seres dotados de livre-arbítrio.

A programação da Bienal foi primorosa, com excelentes autores, iniciantes e veteranos, palestrando, realizando bate papo com os leitores, lançando livros; uma gama de editoras do país; a produção literária estadual com ênfase ao cordel, que terá uma programação especial, com espaço para lançamentos de livros, palestras e sessões de autógrafos dos escritores da terra, nos estandes da CCL – Câmara Cearense do Livro, ACE – Associação de Escritores Cearenses, LEC – Livraria dos Escritores do Ceará e Premius Editora.

Entre livros e bibliotecas, vamos nos deslumbrando com esse maravilhoso mundo da leitura, por meio do qual podemos viajar, sonhar, transcender, vivenciar experiências que talvez jamais nos sejam permitidas, chorar, sofrer, sorrir, tudo num simples passar de páginas, num clique de computador, no caso dos livros digitais.

Existem livros que marcam. Outros, nem tanto. Alguns merecem uma releitura, quando então podemos ter uma percepção completamente diferente quando da leitura anterior. Alguns viram filmes, séries, e nos frustram ou nos encantam.

Há quem diga que os livros devem ser compartilhados, para que outros possam ter igual oportunidade de leitura e de troca de conhecimento, até porque, muitos não têm condições financeiras para comprar livros com frequência.

O conhecimento e os livros devem ser compartilhados, no entanto, em relação aos livros, aconselho a que não emprestem, pois a devolução é algo quase impossível.

Que a Bienal do Livro do Ceará consiga motivar e despertar no público o gosto pela leitura e o amor pelos livros, porque apesar de ainda se ler pouco no Brasil, por certo, hoje lemos bem mais e melhor.


*Promotora de Justiça e Escritora

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994