Disco traz parceria inédita de Oscar Arruda com Astronauta Marinho

Em 2014, Oscar Arruda começou a esboçar o que iria ser transformado em seu segundo disco. Durante show no Órbita Bar, conheceu os músicos da banda Astronauta Marinho, com quem criou uma relação íntima de trabalho. Juntos, lançaram dois singles: um em 2015, chamado "Vela Branca", e outro em 2016, o "Caravana". As duas músicas, passam, agora, a fazer parte de um projeto maior, batizado de "Egomaquia", que inaugura parceria inédia do cantor com o grupo instrumental. O disco será lançado em show durante a Maloca Dragão 2017.
A quarta edição do festival será realizada de 25 a 30 deste mês em diversos espaços do Centro Dragão do Mar  e seu entorno. Na agenda, há, ainda, lançamentos de trabalhos de outras bandas, conforme a produção adiantou ao O POVO. Mad Monkeys, Nafandus, Lavage, Andersoul e Nego Galo são alguns dos grupos que levarão estreias para os palcos do evento. Comemorando 20 anos de estrada, o grupo Cidadão Instigado também entrará para o catálogo de estreias. A banda lançará box comemorativo, com fita k7 do EP "Cidadão Instigado" e outros três discos de vinil com repertórios de CDs que já estão no mercado ("O Ciclo da De.Cadência", "Cidadão Instigado e o Método Tufo de Experiências", "UHUUU!" e "Fortaleza").
O novo trabalho do guitarrista, cantor e compositor Oscar Arruda terá o disco físico sendo lançado na Maloca, mas a versão digital já será liberada nesta quarta-feira, dia 19, em plataformas online de streaming. Egomaquia também existirá em disco de vinil, o primeiro de Oscar. "O primeiro disco de vinil, a gente não esquece", brinca o artista. O trabalho foi gravado e mixado entre 2015 e 2016 no Totem Estúdio, em Fortaleza, sob a coordenação de Yuri Kalil e com masterização de Felipe Tichauer.
Paralelamente ao lançamento deste disco, a banda instrumental Astronauta Marinho está com projeto aberto de financiamento coletivo para a produção de novo álbum. Lançado em 26 de março no site Catarse, a ideia do crowdfunding é arrecadar R$ 21.552  em uma campanha de tudo ou nada, que segue até o próximo 11 de maio. Os interessados podem fazer contribuições a partir de R$ 10. 
Existencial 
"Egomaquia" chega após cinco anos do lançamento de "A  Revolução", disco de estreia de Oscar. Diferentemente deste novo trabalho, o anterior tinha o amor como protagonista de suas letras. "Agora, este é um disco que trata dos encontros do ser consigo mesmo", define Oscar, que lapidou um trabalho íntimo repleto de tonalidades oníricas.
No repertório, estão oito canções, sendo a maioria assinada pelo cantor.  Felipe Lima (guitarra) e Guilherme Mendonça (bateria) assinam a produção musical do trabalho, que tem ainda Caio Cartaxo no baixo e Daniel Lima no teclado e nos sintetizadores. Todos os músicos são integrantes da Astronauta Marinho e assinam uma composição de criação coletiva, chamada "Surfista Prateado".
"O disco é bastante existencial e filosófico, em algum sentido. Ele faz reflexões sobre vários temas que são relativos à existência, como tempo, morte a transcendência", explica Oscar. As batalhas pessoais expostas cruamente nas letras fazem parte do conceito do  projeto desde seu título (ego, do latim, eu e maquia, do grego, luta). A banda consegue, ainda, fazer com que as letras ganhem cores muito próprias e que tenham continuidade, mesmo quando a voz do cantor some e as melodias se sobressaem.
Egomaquia em faixas
Vela Branca, Sol, Tempo, Caravana, Caverna, Surfista Prateado, Labirinto e Errante
Serviço
Lançamento de Egomaquia
Quando: Maloca Dragão, que irá ocorrer de 25 a 30 de abril
Quanto: entrada gratuita
Valor do CD: R$ 30
Valor do vinil: R$ 80
Para colaborar com a campanha de financiamento coletivo para novo disco da banda Astronauta Marinho, acesse o Catarse.  
CAMILA HOLANDA

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural