EUA: 40% dos cânceres estão relacionados com o tabaco

De 2009 a 2013, cerca de 660.000 pessoas por ano foram diagnosticas com câncer nos Estados Unidos.
Há mais de 36 milhões de fumantes atualmente nos Estados Unidos.
Há mais de 36 milhões de fumantes atualmente nos Estados Unidos. (Divulgação)

Até 40% dos cânceres diagnosticados nos Estados Unidos podem estar relacionados com o uso do tabaco, segundo um estudo federal. O fumo está em descenso entre os adultos dos Estados Unidos há décadas, mas continua sendo a principal causa evitável de câncer, de acordo com o relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).
De 2009 a 2013, cerca de 660.000 pessoas por ano foram diagnosticas com câncer nos Estados Unidos, segundo o estudo. E durante este período, 343.000 mortes por ano foram resultado de um tumor maligno vinculado ao tabagismo.
"Há mais de 36 milhões de fumantes atualmente nos Estados Unidos", detalha o diretor dos CDC, Tom Frieden.
"Infelizmente, cerca da metade pode morrer prematuramente por doenças relacionadas ao tabaco, e cerca de seis milhões devido a um câncer se os programas federais para ajudar a parar de fumar não forem implementados", alertou.
Além do câncer de pulmão, o tabaco pode causar tumores na boca, garganta, esôfago, estômago, rins, pâncreas, fígado, baço, colo do útero, reto e leucemia mieloide crônica.
Os CDC ressaltam os avanços conquistados nos últimos 25 anos contra o tabagismo: 1,3 milhão de mortes provocadas por cânceres relacionados ao fumo foram evitadas durante este período, graças a campanhas de conscientização.
De acordo com outro estudo, da National Health Interview Survey, também publicado pelos CDC, a taxa de fumantes entre os adultos americanos passou de 20,9% (45,1 milhões) em 2005 para 15,1% (36,5 milhões) em 2015.
Só no período 2014-2015, a diminuição do número de fumantes foi de 1,7%, atingindo a taxa mais baixa no país desde que os CDC começaram a publicar estas estatísticas, em 1965.
"Quando os estados investem em programas integrais de prevenção do câncer, incluindo a luta contra o tabagismo, podemos constatar o impacto benéfico em toda a população e a redução da mortalidade dos cânceres relacionadas com o cigarro", disse Lisa Richardson, diretora da divisão de prevenção do câncer nos CDC.
A frequência do tabagismo e as taxas de mortalidade são mais altas entre os afro-americanos em comparação com outros grupos étnicos, assim como nas populações dos condados onde a proporção de pessoas com ensino superior é mais baixa e onde os níveis de pobreza são os mais altos.
A incidência de cânceres relacionados com o tabagismo continua sendo maior entre os homens (250 por 100.000) que entre as mulheres (148 por 100.000), segundo os CDC.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Conceição Evaristo: 'A literatura está nas mãos de homens brancos'

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão