A importância da fé para o ser humano

Há alguns anos estudiosos da Medicina têm se voltado para a religiosidade

Depois de muito tempo de uma crença meramente racionalista ou na técnica, há alguns anos estudiosos da Medicina têm se voltado para a religiosidade – embora de modo um tanto vago e genérico, é verdade –, como meio de ajudar os próprios pacientes.
Um breve exemplo é o do geriatra e psiquiatra americano Harold Koenig, diretor do Centro para o Estudo da Religião/Espiritualidade e Saúde da Universidade de Duke, na Carolina do Norte e autor do Manual de religião e saúde: revisão de um século de pesquisa.
Vale a pena citar trechos de sua fala, pois é a palavra de um homem de ciência e de fé que parece enxergar o ser humano como um todo, ou seja, a necessitar dos cuidados técnicos dos médicos, mas também da espiritualidade para a vida do dia a dia, especialmente nos momentos difíceis aos quais todos estamos sujeitos.
Perguntado se sempre foi um homem de fé, Dr. Koenig respondeu que não. “Só a partir dos 33 anos, quando enfrentei situações difíceis e busquei conforto na religião, que me ajudou a superar problemas físicos e emocionais. E hoje, sou cada vez mais religioso. Perdi meus pais nos últimos dois anos e fico muito mais tranquilo para passar por tudo isso tendo fé”.
Aliás, a fé, segundo ele – com base em pesquisas realizadas em Durham, na Carolina do Norte e em outros centros de pesquisas norte-americanos e canadenses –, ajuda as pessoas a viverem mais, pois têm elas uma saúde melhor e superam com mais facilidade as doenças que as atinge. Quem frequenta um culto religioso ao menos uma vez por semana ganha, em média, sete anos a mais de vida, diz o geriatra.
Questionado se ainda há muitos médicos céticos (não creem, nem descreem), o cientista estadunidense respondeu que a questão parece não estar em ter fé ou deixar de ter fé, pois isso seria ir contra a Ciência que tanto defendem, mas, sim, em como utilizar-se da fé em proveito dos pacientes. Ademais, o médico não deve, segundo ele, receitar fé, mas só falar nela se o paciente se predispor a saber mais.
Ainda: a oração de terceiros sempre ajuda o doente, senão na cura física, no preparo a fim de que ele se sinta mais apto a enfrentar as adversidades da doença em sua vida. Há quem tenha fé no próprio médico ou no medicamento, o que, sem dúvida, é bom, contudo nem o profissional da saúde nem o fármaco é um deus. Ambos têm poder limitado, ao passo que a força do verdadeiro Deus é infinita.
Koenig ainda assegura: “Quando comecei a exercer a Medicina, notei que pessoas religiosas, especialmente as idosas, pareciam mais saudáveis e respondiam melhor aos tratamentos. Desfrutavam de bem-estar e tinham uma atitude mais positiva diante da vida. Decidi então estudar as relações entre a religião/espiritualidade e saúde” (Pergunte e Responderemos n. 540, junho de 2007, p. 246-247).
Jornal do Brasil diz, por sua vez, em 05/06/03, p. A5: “A medicina começa a incluir cada vez mais em suas práticas o instrumento da espiritualidade no cuidado com os pacientes, usando a favor do doente a sua crença em uma religião ou sua busca de aprimoramento espiritual por meio de outros caminhos que não os religiosos. A mudança atende à demanda dos próprios pacientes por um tratamento que contemple sua saúde em sua dimensão mais ampla, incluindo o respeito a seu lado da espiritualidade. Pesquisas têm demonstrado que religiosos apresentam 40% menos chance de sofrer de hipertensão, têm um sistema de defesa mais forte, são menos hospitalizados, se recuperam mais rápido e tendem a sofrer menos de depressão quando se encontram debilitados por enfermidades”.
Desejamos, ao final desses dados citados sem comentários, deixar claro o que segue: a Religião, como o próprio nome diz, quer dizer religação do ser humano com Deus em vista da vida eterna, sua finalidade principal. Secundariamente, porém, ela, como se viu, ajuda as pessoas a melhor viverem o seu dia a dia. É a fé encarnada na realidade humana: pés no chão e cabeça no céu, como se tem dito.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Aleteia

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994