Há 20 anos chegava às livrarias o primeiro livro de uma série que mudaria a vida de muitos jovens

Há 20 anos chegava às livrarias o primeiro livro de uma série que mudaria a vida de muitos jovens que antes eram “trouxas” e depois puderam ser bruxos
No dia 26 de junho de 1997, “Harry Potter e a Pedra Filosofal” era publicado na Grã-Bretanha pela Bloomsbury Publishing e, depois desse dia, o mundo “trouxa” (não-mágico) nunca mais foi o mesmo.
No Brasil, a saga do “menino que sobreviveu”, Harry Potter, começava nos anos 2000, quando o livro foi traduzido e publicado pela editora Rocco.
Em pouco tempo, pessoas de todas as idades se tornaram fãs da obra de J.K. Rowling e começaram a pedir e esperar ansiosamente pelas continuações.
Um desses jovens era eu. Aos 16 anos já amava ler e devorava todos os livros que via pela frente, a maioria paradidáticos do colégio ou com temática mais adulta, que pertencia aos meus pais. 
Lembro de minha mãe, leitora assídua, trazendo um livro de capa colorida, com um menino montado em uma vassoura. Ela não se interessou muito pela história. Já eu, enlouqueci. 
Me senti sensibilizada pela história do menino órfão criado por seus malvados tios e uma das amigas do protagonista, Hermione, a certinha, estudiosa e alvo de zombaria na escola, era meu “animal espiritual”, como se diz nos dias de hoje. Finalmente, eu estava lendo algo que retratava uma garota inteligente na qual eu poderia me espelhar.
Foi fantástico perceber que essa identificação não acontecia só comigo. Os diversos personagens e as quatro casas iniciais, Grifinória, Sonserina, Corvinal e Lufa-Lufa, fizeram com que muitos imaginassem que personagens poderiam ser em Hogwarts e para qual das casas seriam escolhidos se fossem enviados para lá. 
Harry Potter conseguiu um alcance entre jovens que nenhum outro livro, à época, havia conseguido. E eu, finalmente, podia conversar com alguém sobre literatura. Mesmo os que não gostavam de ler, iniciaram sua saga na leitura junto com Harry Potter e cresceram com as aventuras do menino bruxo.
A autora
Joanne Rowling é escritora, roteirista e produtora de filmes. Desde que encerrou a saga de Harry Potter, lançou mais quatro livros para o público adulto sob o pseudônimo de Robert Galbraith.
Em entrevista, a autora admitiu que a ideia para a história de Harry surgiu em uma viagem de trem de Manchester a Londres. Pelos próximos cinco anos, a autora começou a organizar e mapear os sete livros da série.
Como nem tudo são flores, Rowling passou ainda por uma série de acontecimentos importantes e, muitas vezes difíceis, em sua vida pessoal até conseguir atingir o sucesso. A morte de sua mãe, o nascimento de sua filha, o divórcio do seu primeiro marido e o desemprego influenciaram bastante a escrita de seus livros até a posterior publicação do primeiro em 1997.
Dez anos e mais seis livros depois, em 21 de julho de 2007, a saga do menino que sobreviveu foi finalizada, mas Rowling não ia deixar sua legião de fãs órfã e trabalha em outros projetos como peças de teatro e roteiros de filmes ambientados no universo fantástico de “A Pedra Filosofal”.
Além disso, ela ainda disponibiliza conteúdos exclusivos sobre o mundo bruxo no site Pottermore.com em que também é possível para qualquer pessoa fazer testes para saber qual é a sua casa e qual animal seria seu patrono. 
Porém, todo esse material on line só está disponível em inglês.
Escola de magia
A história do órfão com uma cicatriz na testa em forma de raio se tornou famosa não só no mundo mágico, mas também em nosso mundo.
Em 20 anos, Harry Potter ganhou onze livros, sete da série, três de conteúdo extra e uma sequência da série (escrito por Jack Thorne). 
Foram produzidos oito filmes relativos a primeira história e mais cinco darão continuidade ao universo da magia. O primeiro deles, “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, estreou em novembro de 2016 e o próximo está prometido para o ano que vem. 
Se depender dela, e da gente, essa história nunca será finalizada.
Comemoração
 
O fã-clube ‘A Ordem’ está organizando uma grande comemoração de 20 anos de “A Pedra Filosofal” e 10 anos de “As Relíquias da Morte” (21 de julho), o último livro. 
O evento ocorre no fim de julho na Livraria Cultura, ainda sem horário definido. Serão dois dias de programação com atividades diversas, brincadeiras, sorteios, brindes e painéis sobre a saga.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Documentário sobre papa Francisco chega a cinemas dos EUA em maio

Por que há tão poucas chefs mulheres?

Dois pesos e duas medidas

Professora vai mediar estudo de literatura feminina em Dourados

Convém pensar