O ex-chanceler Helmut Kohl, pai da reunificação da Alemanha, morreu, ontem, aos 87 anos

Image-0-Artigo-2257064-1
Líder convenceu dirigentes soviéticos e americanos que as 'duas Alemanhas' se unissem em 1990 ( Foto: AFP )
Ludwigshafen. O ex-chanceler Helmut Kohl, pai da reunificação da Alemanha, morreu, ontem, aos 87 anos, indicou o seu partido CDU e o jornal Bild, do qual os diretores eram próximos desta figura da história da Alemanha contemporânea.
"Estamos de luto", indicou a União Democrática Cristã (CDU) em sua conta no Twitter depois da morte daquele que foi o chanceler por mais tempo, entre 1982 e 1998, da Alemanha do pós-guerra.
Kohl faleceu "esta manhã em sua casa de Ludwigshafen", no sudoeste do país, indicou o Bild.
A chanceler alemã, Angela Merkel, que lhe tirou o poder do partido em uma batalha interna, reagiu consternada.
Segundo ela, Kohl "mudou sua vida de forma decisiva" pelo papel desempenhado pelo ex-dirigente da reunificação do País.
Hohl foi "uma sorte para nós, os alemães", acrescentou, em Roma, Merkel, que cresceu na antiga Alemanha oriental e começou sua carreira política quando da reunificação alemã, em 1990.
O ex-chefe de redação do jornal Bild, Kai Diekmann, padrinho do segundo casamento de Kohl, saudou a memória do ex-chanceler que tinha problemas de saúde e usava cadeira de rodas desde 2009.
"Obrigado. Pela unidade alemã. Pela Europa. Por tantas coisas incríveis adicionais. Helmut Kohl, 1930-2017, descanse em paz", escreveu no Twitter.
A morte do ex-chanceler Helmut Kohl, 87, arquiteto do processo de reunificação da Alemanha em 1990, foi repercutida por líderes em todo o mundo.
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, saudou a memória deste homem que foi "a própria essência da Europa". Kohl foi "um dos maiores" líderes da Alemanha do pós-guerra, disse o ex-presidente George W. Bush (pai).
O ex-chanceler, um colosso por seu físico e sua história, é o pai incontestável da Alemanha reunificada. Ele ficará na história por ter convencido os dirigentes soviéticos e americanos, Mikhail Gorbachev e George W. Bush, e seus aliados europeus, por permitir que a República Democrática Alemã se unisse à República Federal em 1990, após a queda do Muro de Berlim.
Biografia
3 de abril de 1930: nasce em Ludwigshafen (sudoeste).
1959: É eleito para o Parlamento regional de Renânia-Palatinado pela União Cristã Democrata (CDU).
1º de outubro de 1982: se torna o sexto chanceler da República Federal da Alemanha (RFA) . Foi reeleito em 1983, 1987, 1990 e 1994, e mantém o recorde de longevidade como chefe do governo alemão desde o fim da grande guerra.
3 de outubro de 1990: o país, dividido desde a Segunda Guerra Mundial, é reunificado e Kohl se torna o primeiro chanceler desta nova Alemanha depois das eleições legislativas ocorridas em dezembro daquele ano.
 
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Deus, alimento e remédio

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Marisa Monte embala 'Romeu & Julieta'