O ex-chanceler Helmut Kohl, pai da reunificação da Alemanha, morreu, ontem, aos 87 anos

Image-0-Artigo-2257064-1
Líder convenceu dirigentes soviéticos e americanos que as 'duas Alemanhas' se unissem em 1990 ( Foto: AFP )
Ludwigshafen. O ex-chanceler Helmut Kohl, pai da reunificação da Alemanha, morreu, ontem, aos 87 anos, indicou o seu partido CDU e o jornal Bild, do qual os diretores eram próximos desta figura da história da Alemanha contemporânea.
"Estamos de luto", indicou a União Democrática Cristã (CDU) em sua conta no Twitter depois da morte daquele que foi o chanceler por mais tempo, entre 1982 e 1998, da Alemanha do pós-guerra.
Kohl faleceu "esta manhã em sua casa de Ludwigshafen", no sudoeste do país, indicou o Bild.
A chanceler alemã, Angela Merkel, que lhe tirou o poder do partido em uma batalha interna, reagiu consternada.
Segundo ela, Kohl "mudou sua vida de forma decisiva" pelo papel desempenhado pelo ex-dirigente da reunificação do País.
Hohl foi "uma sorte para nós, os alemães", acrescentou, em Roma, Merkel, que cresceu na antiga Alemanha oriental e começou sua carreira política quando da reunificação alemã, em 1990.
O ex-chefe de redação do jornal Bild, Kai Diekmann, padrinho do segundo casamento de Kohl, saudou a memória do ex-chanceler que tinha problemas de saúde e usava cadeira de rodas desde 2009.
"Obrigado. Pela unidade alemã. Pela Europa. Por tantas coisas incríveis adicionais. Helmut Kohl, 1930-2017, descanse em paz", escreveu no Twitter.
A morte do ex-chanceler Helmut Kohl, 87, arquiteto do processo de reunificação da Alemanha em 1990, foi repercutida por líderes em todo o mundo.
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, saudou a memória deste homem que foi "a própria essência da Europa". Kohl foi "um dos maiores" líderes da Alemanha do pós-guerra, disse o ex-presidente George W. Bush (pai).
O ex-chanceler, um colosso por seu físico e sua história, é o pai incontestável da Alemanha reunificada. Ele ficará na história por ter convencido os dirigentes soviéticos e americanos, Mikhail Gorbachev e George W. Bush, e seus aliados europeus, por permitir que a República Democrática Alemã se unisse à República Federal em 1990, após a queda do Muro de Berlim.
Biografia
3 de abril de 1930: nasce em Ludwigshafen (sudoeste).
1959: É eleito para o Parlamento regional de Renânia-Palatinado pela União Cristã Democrata (CDU).
1º de outubro de 1982: se torna o sexto chanceler da República Federal da Alemanha (RFA) . Foi reeleito em 1983, 1987, 1990 e 1994, e mantém o recorde de longevidade como chefe do governo alemão desde o fim da grande guerra.
3 de outubro de 1990: o país, dividido desde a Segunda Guerra Mundial, é reunificado e Kohl se torna o primeiro chanceler desta nova Alemanha depois das eleições legislativas ocorridas em dezembro daquele ano.
 
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Garimpeiro do conhecimento

Mistério da Santíssima Trindade

O saber na periferia do conhecimento

Cannes: Filmes de qualidade, mas sem ousadia

Bill Gates quer que você leia estes 5 livros nas férias de julho