Projeto financia escritores cearenses que não têm dinheiro para publicar livros

Iniciativa de escritor cearense propõe união de investidores interessados em dar vida a projetos literários de autores que não têm como bancar publicações. Primeiro livro da ação será lançado em junho e outros dois títulos sairão ainda este ano

 
A cearense Anna K é autora do primeiro livro financiado pelo Fundo Carolina, projeto criado pelo editor e poeta Talles Azigon TATIANA FORTES
A cearense Anna K é autora do primeiro livro financiado pelo Fundo Carolina, projeto criado pelo editor e poeta Talles Azigon TATIANA FORTES
Carolina Maria de Jesus (1914 - 1977) era negra, morava na Favela do Canindé, em São Paulo, e tirava sustento de um lixão. Aproximando-se da literatura por meio dos livros que achava e levava ao seu barraco, ela encontrou na realidade em que vivia a base para sua própria produção literária. Na década de 1960, seu livro Quarto de Despejo, que ficou conhecido após ser “revelado” pelo jornalista Audálio Dantas, se tornou um fenômeno editorial e midiático, sendo publicado em mais de 40 países. A trajetória dessa mulher inspira o nome do projeto Fundo Carolina, idealizado pelo poeta e produtor cultural Talles Azigon. A tese do escritor cearense é simples e pulsante: existem “outros Quarto de Despejo” engavetados que precisam chegar ao público, mas seus autores não têm verba para publicar.
“Como editor da Substânsia, fui vendo que a gente recebia muitos originais e projetos de livros interessantes, mas que as pessoas não tinham dinheiro para entrar com a coparticipação. Isso me deixava angustiado”, conta Talles, um dos fundadores da editora cearense que há três anos tem forte atuação na Capital. A partir desse desconforto, ele pensou na possibilidade de montar um fundo para custear escritores. A ideia agora ganha forma e o primeiro livro lançado pelo Carolina, a obra Claviculário, da escritora Anna K, chega ao público este mês, no dia 21, em local ainda a ser definido.
Para dar o pontapé, Talles vem tirando do próprio bolso. “De todas as atividades que realizo como produtor, editor e poeta, estou tirando uma porcentagem para o Fundo”, conta. A partir desse trabalho de formiguinha, ele já garantiu a publicação de outros dois projetos, o Boca de cachorro louco, de Kah Dantas, e uma antologia do Projeto Leitura Escambau, que realiza concursos de microcontos no Facebook. Os vencedores da terceira edição do prêmio poderão ser incluídos no livro. O objetivo é que o Fundo possa reunir mais gente interessada em viabilizar novos projetos literários. “A ideia é o financiamento colaborativo continuado, é buscar gente que se proponha a ajudar. Tem muita gente que tem recurso e pode ajudar”, confia.
“O que o Talles está fazendo é pegar o pouco que tem e investindo para fazer circular a palavra. Esse fundo é a prova de que não precisa de muita coisa para fazer um projeto ganhar o mundo. Precisa ser honesto e acreditar”, aponta Anna K, que vem desenvolvendo o Claviculário há dez anos e não tinha conseguido lançar a obra. Ela afirma acreditar que essa iniciativa vai render frutos justamente porque está associado ao movimento de união de articuladores da literatura na Capital. “Com os saraus e os clubes de leitura, tenho notado que há uma aproximação maior (entre autores). Principalmente nas periferias. Gente que não conseguiu se publicar está se encontrando e vendo que é possível realizar essa troca”, comemora a escritora.
Wilson Júnior, escritor e editor do site escambau.org, faz coro. “É de suma importância que escritores se organizem dessa forma. A gente sofre no Brasil uma carência de público que reflete na dificuldade de achar espaços de publicação. Quando a gente se agrega para pensar saídas, a literatura se fortalece”, celebra. Para ele, o Fundo surge como uma nova possibilidade “Muitos escritores na história da literatura só foram reconhecidos de maneira póstuma, porque não tinham como publicar. Hoje, é cada vez mais difícil para as editoras custear por inteiro novos autores, o Fundo vem como essa fresta para a gente acreditar e se unir”.
SERVIÇO
Para entrar em contato com o Fundo Carolina
Email: tallesazigon@gmail.com
Facebook: facebook.com/fundocarolina
Instagram: @fundocarolina
RENATO ABÊ

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU