Quem é Madame Bovary, citada por tucano ao falar de saída do governo

Por: Carlos André Moreira
 
Quem é Madame Bovary, citada por tucano ao falar de saída do governo Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução 
— O PSDB tem compromissos com o governo e com o programa de governo. E o PSDB não é Madame Bovary — declarou nesta sexta-feira o douto ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes. Uma declaração que leva, inevitavelmente, a pensar nas relações que o erudito chanceler faz entre a arte e a vida.
Madame Bovary, obra-prima do romance francês publicada em 1857, foi escolhida por Nunes para seu exemplo porque é uma das adúlteras mais famosas da literatura — e ao contrário da brasileira Capitu, de Machado de Assis, não há dúvida sobre suas escapadas para fugir da realidade burguesa anódina que vive ao lado do marido, o médico de província Charles Bovary.
Mas fica uma questão crucial para alguém que leu o livro... Apesar de todo o moralismo da conclusão do livro, com uma Bovary endividada e na lama, o Charles Bovary criado por Flaubert é um banana, um sujeito dolorosamente sem graça, uma figura burguesa de tal modo enfadonha que seria de se pensar como Bovary poderia não traí-lo. Se o PSDB se compara a Bovary e diz que mesmo na dificuldade não vai trair Temer, poderia a comparação ser estendida à personalidade algo formal demais, para dizer o mínimo, do presidente?

*Zero Hora

Comentários

Mais Visitadas

Nomofobia: O medo de desconectar

Fundação Edson Queiroz realiza mostra de arte

Documentário sobre 'impeachment' de Dilma no Festival de Cinema de Berlim

"Um erro, uma barbárie, uma desumanidade", diz Vargas Llosa sobre a pena de morte

Solenidade de posse do Dr. Régis Frota, na Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza