Luís Augusto Fischer: Adote um escritor

Logo Adote
O assunto tomou conta do mundo literário da cidade e do Estado: a manchete dizia que o programa Adote um Escritor ia ser cortado, ia acabar. Repulsa geral. Porque o Adote é um projeto muito, mas muito bem concebido, numa trama do bem que une a Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre com a Câmara Rio-grandense do Livro (órgão de classe de editores e livreiros do Estado) e, naturalmente, os escritores.
A cada ano, autores são convidados a participar de uma carteira de possibilidades, levada às escolas, que conforme suas peculiaridades (idade dos alunos, presença do imprescindível EJA etc.) escolhem cada uma um escritor, cuja obra será lida e trabalhada nas várias etapas escolares, que terá exemplares de sua obra comprados para a biblioteca da escola e que, finalmente, visitará a escola e verá o que fizeram com o que leram e vai conversar com os alunos. Cara a cara, coração a coração.
(É falacioso o argumento usado pela diretora pedagógica da Smed expresso na Zero do dia 27 passado, confrontando o projeto com fracos índices de proficiência em leitura. Noves fora a discussão sobre o índice em si, é justamente o contato com textos de interesse do aluno que podem aumentar a proficiência de leitura.)
Posso atestar o valor do projeto porque já participei dele. É das coisas mais bem concebidas e administradas em literatura, no Estado e no país. Nada de improvisação, apadrinhamento, vício de qualquer tipo: apenas mérito, profundidade, beleza, engajamento. Agora vem da Smed a notícia de que o projeto não será abandonado, mas haverá alguma diminuição de seu volume, nas compras. Será inevitável, agora?
Talvez. Mas conjuntura passa. O que não se pode perder de vista é que se trata de coisa realmente superior, por tudo isso e mais isto: favorece a diversidade cultural e chega perto dos interesses e vivências dos alunos. Dando às escolas o direito de escolha entre os vários escritores, muitos dos quais gaúchos como os alunos, o programa contribui para barrar a oligopolização, que também no mundo editorial faz estragos de monta.
Zero Hora

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU