Razão e sobrenatural se chocam no romance "Coração satânico", de William Hjortsberg, recém-lançado no País

por Dellano Rios - Editor de área
O ator Mickey Rourke, como o detetive Harry Angel, na adaptação para o cinema do livro mais conhecido do escritor norte-americano William Hjortsberg
William Hjortsberg tinha 76 anos quando morreu, em abril passado. Os obituários dedicados ao escritor norte-americano, invariavelmente, elegeram dois marcos em sua vida e obra: o romance "Falling Angel" (1978) e o roteiro de "A Lenda" (1985), uma fantasia mediana que Ridley Scott dirigiu, tendo Tom Cruise como protagonista.
O primeiro diz mais das capacidades de Hjortsberg. O romance é uma história de detetive, com elementos sobrenaturais. Os dois domínios constantemente se encontram, na literatura, nos quadrinhos e no cinema, quase sempre pendendo mais para o clima de terror extraordinário. Mas Hjortsberg não é um ficcionista qualquer. É de um tipo caro às letras dos EUA: não é um gênio, nem tem cacife para criar um clássico, mas domina a técnica com poucos. É, por isso mesmo, o tipo de autor que Hollywood corteja (e deveria cortejar cada dia mais). Dito isso, vale lembrar que uma história de detetive é um exercício de lógica (vide o exemplo de Sherlock Holmes, um dos arquétipos do gênero). E o escritor sustenta a lógica nesta história: seu narrador protagonista se nega a adotar uma explicação fantástica para o mistério que busca elucidar, mesmo quando atravessam seu caminho praticantes de vodu, cartomantes e adoradores do diabo.
O livro foi levado aos cinemas nove anos depois, numa produção dirigida por Alan Parker. Cioso da obra que lhe serviu de base, o cineasta preferiu mexer no título, que se tornou "Angel Heart" (no Brasil, "Coração satânico"). Foi o nome, aliás, que a nova edição do romance, da Darkside Books, tomou emprestado.
Seriado
A edição da Darkside, especializada em derivados de filmes de terror, é caprichada. E a escrita segura Hjortsberg garante que não seja apenas um caso de literatura ruim numa embalagem bonita.
A trama difere do filme e seu modelo narrativo também. Parece mais com um seriado do que com um longa-metragem. A história acompanha o detetive Harry Angel, contratado por um ricaço chamado Louis Cyphre, para investigar o desaparecimento de um antigo ídolo da música. Na Nova York do fim dos anos 1950, assassinatos, ritos mágicos e figuras singulares cruzam o caminho de Angel e ameaçam sua sanidade e segurança, sem que a grande metrópole pareça se importar.

Livro

Coração satânico
William Hjortsberg
Tradução: Carla Madeira
Darkside Books
2017, 320 páginas
R$ 54,90

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU