"Eu escrevo dos meus fantasmas. Eu queria explorar essa auto-flagelação "

México 
El Páis
A escritora mexicana Paulette Jonguitud, em Coyoacán.
A escritora mexicana Paulette Jonguitud, em Coyoacán. 
Eles estão saindo. Eles saem e não há nada a fazer: eles morrem. Em algumas margaritas e seus fantasmas , Paulette Jonguitud narra, entre outros, a morte da irmã gêmea de Oscar. Um câncer Óscar não entende que sua irmã está morrendo, que ele morreu. Então nasce um momento que é medido com dor, uma experiência diferente. Parece normal, mas é outro. Há segundos, minutos, cores e texturas. E também há fantasmas. A carne é diluída e tudo adquire um tom translúcido, eu vivo, os mortos, as vozes. Há asas de mosca em todos os lugares. É disso que se trata esse livro, antes de morrer, quando você está morto. O que você está fazendo com isso?
Oscar quer ser o câncer que mata sua irmã, o corpo rasgado pelo câncer, para estar mais perto. E então ele ordena prótese de silicone e ele se torna o homem elefante, um homem que é mil tumores. Assim, ele se aproxima de sua irmã.
O personagem de Óscar bebe, em parte, do autor. "Eles me disseram muito tarde que minha tia estava doente, então eu consegui acompanhá-la por um mês, até o dia em que ela morreu", diz Jonguitud, 38. "Eu a vi quebrar, eu vi ela ir, e levou quase quatro anos para processar esse tempo, e só poderia fazê-lo. Só então poderia aprender a ser sem alguém. Eu escrevo os fantasmas que são parte de mim. Os fantasmas pessoais que eles te atormentam, como nos sonhos: eu em todas as minhas facetas, atormentando-me, queria explorar essa auto-flagelação ".
Alguns ... é o segundo romance do autor. Em Moho (2011), o primeiro, um calo esverdeado assume pouco a pouco o corpo de uma mulher. Aparece na virilha e avança até que não haja outra mulher do que o calo. É o molde. Em uma entrevista que ele deu, Jonguitud disse: "Estou interessado no que acontece na mente quando testemunha a decomposição".
Elmer Mendoza disse que o autor tem um olho para coisas tremendas e para fazer as pessoas se sentir mal
O novo é parte do primeiro lote de romances da editora Caballo de Troya. Em sua apresentação, o escritor mexicano Elmer Mendoza disse que o autor tem um olho para as coisas tremendas e fazer as pessoas se sentir mal. Ele disse isso de uma maneira boa.
Há Oscar e também há o sonúnico. Jonguitud diz isso e também diz irmão mais novo, nunca pelo nome. E, talvez, porque o sonúnico existe até a perda. Existe como para seu irmão morto, o irmão mais velho e sua própria mãe, cujas memórias estão perdidas, devido à doença de Alzheimer. Memórias morrem e com eles uma boa parte do passado do filho mais novo. Um passado que diminui. O autor escreve: "Um único filho sem mãe é um órfão duplo, só conhece seu passado, só ela sabe que era uma criança e que ela riu debaixo da mesa e que ela se ferrou em uma piscina".
- O que acontece com alguém que encolhe o passado? O que é um passado em declínio?
- Bem ... Ele se torna o único testemunho de seu passado, o único que sabe que ele existia. É uma pequena coisa sobre os mexicanos da minha geração, que nasceram em um país que praticamente já não há um país que quebrou, que foi dissolvida, o que não é a mesma de quando eu era criança. Quando éramos crianças, ele teve seus problemas, pobreza, violência, mas não era um lugar que comesse seus jovens.
Este livro nasceu da fadiga produzida por ser uma mulher no México
Antes de ficar completamente perdido, a mãe do único filho insiste em encontrar uma esposa para seu filho morto. Como os chineses, diz ele, os chineses se casam com seus mortos, então eles não estão sozinhos. E então a mãe faz malha de papel e pano, uma bainha. Ele malha a boneca e pede ao irmão mais novo que o encontre um pouco, seus ossos, para colocá-los dentro. Muertitas não vai faltar, diz a mãe. "Deus sabe que o que resta neste país são cadáveres de meninas".
Além de um manual de sobrevivência, alguns ... é um estudo da violência machista. Óscar e sua irmã trabalharam em um projeto. Eles estavam procurando um lugar, o mais perigoso, eles se despiram e se fotografaram. Um ato de rebelião. Invadir, como o autor diz, para que eles não o invadem. "Este é um produto do livro da minha fadiga também, da minha dor, que ser uma mulher é uma luta diária, que no México é tão difícil ser uma mulher".
E assim vai, de Oscar para a mãe, da dor à perda, da decomposição à violência. O romance é um diálogo entre Oscar, a mãe e o irmão mais novo, um diálogo sobre a perda, o futuro ou o passado, mas perto. E aparecem, o tempo todo, fantasmas. O autor fica em sua pele, no big brother, no elefante, mesmo em Alan Turing, um personagem da novela que o irmão mais novo nunca escreve.
"Eu queria escrever livros que não doem, mas ainda não posso", conclui.
COMPRA ONLINE "ALGUMAS MARGARITAS E SEUS FANTASMA"
Autor:  Paulette Jonguitud.
Editora:  Caballo de Troya (2017).
Formato: versão Kindle (167 páginas).

Comentários

Mais Visitadas

Conheça o cearensês e saiba como surgiram vocábulos muito usados pelos cearenses

COPA DO MUNDO

Arquivos de cartórios do Ceará integrarão árvore genealógica mundial

Carta ao eleitor V

São Luiz exibe "Vidas Secas" e homenageia Nelson Pereira dos Santos