Monge sem convento

Padre Geovane Saraiva*
O grande perigo dos nossos tempos, do ponto de vista da espiritualidade e da mística cristã, é o de não se dar a devida importância à oração silenciosa e contemplativa. Somos desafiados a ir além da compreensão deste candente assunto, dando aquele belo mergulho na oração contemplativa como um caminho divino, um apostolado libertador, convencendo-nos do imprescindível: o de sorver na fonte inexorável da íntima união com Deus.
Diante do grande espetáculo e teatro da vida, só mesmo um coração incessante, voltado para Deus, quando se nota facilmente que as pessoas parecem perder de vista o farol norteador de sua própria existência, no absoluto de Deus. Eis o poço inesgotável de Deus a se revelar na espiritualidade do bem-aventurado Charles de Foucauld, assassinado há 101 anos, no Deserto do Saara, em 1º de dezembro de 1916. Somos chamados sempre mais a nos convencer da nossa estreita aproximação do onipotente Deus. No egoísmo e na indiferença do Irmão Charles de Foucauld lá estava Deus para, providencialmente, transformar seu coração duro e de pedra em um coração bom, dadivoso e com marcas de esplêndidas virtudes.
Que cresça a consciência, nos passos de Charles de Foucauld, o bem amado no Senhor, de que o critério decisivo, segundo a vontade de Deus, é o compromisso do amor solidário, sem jamais esquecer de que o irmão universal gritou o Evangelho com a própria vida. O seu amor faz-nos recordar o que alhures já dissemos, a respeito de sua conversão: “Parece até que estava previsto nos planos de Deus, porque, ao cair nas mãos de Deus e ser seduzido por Jesus de Nazaré, encontrou seu maior tesouro”. Rendamos graças pelo amor indizível de Deus, nas palavras paradoxais de René Bazin, a seu respeito: “Foi um monge sem mosteiro, um mestre sem discípulos, homem do deserto à espera de um tempo que não devia ver”.
Dom Helder Câmara, no seu estonteante deslumbre, ao prefaciar o livro de René Voillaume, “Fermento na Massa”, edição brasileira alusiva ao centenário de nascimento de Charles de Foucauld (1858-1958), na seguinte assertiva: “Aquilo que ele começou, e jamais conseguiu realizar em vida através de seguidores, é hoje realizado através dos irmãozinhos e das irmãzinhas que se espalham pelo mundo inteiro, escolhendo de preferência os pontos da terra onde residem criaturas em situação infra-humana ou em estado de rejeição ou abandono”. Amém!
Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza –geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

Nomofobia: O medo de desconectar

Fundação Edson Queiroz realiza mostra de arte

Documentário sobre 'impeachment' de Dilma no Festival de Cinema de Berlim

"Um erro, uma barbárie, uma desumanidade", diz Vargas Llosa sobre a pena de morte

Solenidade de posse do Dr. Régis Frota, na Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza