Resumo histórico

Gonzaga Mota*

A origem da moeda está relacionada com a evolução dos sistemas econômicos. A natureza dinâmica das atividades produtivas e as forças de mercado forçaram o surgimento da moeda. Os sistemas mais rudimentares caracterizavam-se pela ausência de trocas e consequentemente de moeda. Tendo-se, portanto, a chamada economia natural. As pessoas eram autossuficientes (tipo Robinson Crusoé, no romance de Daniel Defoe). Os níveis de poupança nulos implicavam na estagnação daquelas comunidades.
Como segundo tipo de sistema, surgiu a economia de escambo, as trocas de bens eram realizadas diretamente, sem a existência de intermediários. Foi o início da especialização (divisão do trabalho). Apesar da evolução, a economia de escambo apresentava uma série de problemas, impedindo uma expansão mais acelerada da produção, tais como: indivisibilidade dos bens, coincidência de interesses, dificuldade de transportes, dentre outros. O terceiro tipo foi chamado de economia monetária, havia intermediários e, mais ainda, avançaram os processos de especialização (vantagens comparativas) e de geração de poupanças que seriam transformadas em investimentos. A moeda, nessa fase, assumiu duas formas distintas: moeda mercadoria (com valor intrínseco) e moeda fiduciária (com base na confiança).
Ao longo do tempo, ocorreu uma desmaterialização da moeda. Ademais, se, de um lado, a moeda permitiu o desenvolvimento das atividades produtivas e do emprego, de outro, vem sendo um instrumento de preocupação em razão da ganância e da especulação de agentes econômicos.

*Professor aposentado da UFC
 

Comentários

Mais Visitadas

Assunção: Deus recorre aos humildes

1º Festival de Literatura do Sertão do São Francisco vai homenagear escritor de Petrolina, PE

Filme luso-brasileiro com índios Krahô vence Festival de Cinema de Lima

Evento em São Paulo discute as questões do homem contemporâneo

Madonna chega aos 60 anos como uma artista única