Saiba o que pode acontecer com mulher que postou vídeo racista

Casal de artistas prestou queixa na polícia e, mesmo assim, a mulher se gabou de que não teria que responder pelo crime por morar no Canadá e o processo correr no Brasil.
Day  Mccarthy deu declarações racistas a Titi, filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso.
Day Mccarthy deu declarações racistas a Titi, filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso. (Reprodução)

A capixaba Dayane de Andrade, conhecida nas redes sociais como Day  Mccarthy, ganhou destaque após gravar um vídeo neste sábado, 25, com  declarações racistas a Titi, filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso.

O casal prestou queixa na polícia e, mesmo assim, a mulher se gabou de  que não teria que responder pelo crime por morar no Canadá e o processo  correr no Brasil. Conversamos com profissionais da área para saber  qual é o crime pelo qual ela pode ser investigada e as possíveis penas.

Para a advogada Carla Benedetti, mestre e doutora em Direito Penal pela  PUC-SP, o crime em questão é de injúria qualificada por preconceito de  raça e cor previsto no Artigo 140, parágrafo 3º. Nesse caso, a pena  prevista é de reclusão de um a três anos e multa.

O criminalista Miguel Pereira Neto concorda com a tipificação do crime e  explica que o caso não pode ser qualificado como racismo porque esse  crime, especificado na lei 7716/89, é praticado contra a coletividade e  não contra uma pessoa ou grupo específico.

"É claro que essa acusação contra a pessoa pode vir a ter uma conotação  genérica também e aí atingir a todos, mas pelo que se apresenta no caso,  ao menos o que eu pude saber do caso, aí não se enquadraria em racismo,  mas sim em injúria", explica Miguel.

O criminalista ainda ressalta que se Dayane não for reincidente, há a  possibilidade dela cumprir sua pena em liberdade, uma vez que isso é  permitido para casos de penas iguais ou inferiores a quatro anos para  não-reincidentes.

Sobre sua afirmação de que não teria que cumprir pena pelo seu crime por  morar fora do País, Carla Benedetti diz que há regras de reciprocidade e  de cooperação internacional que não permitiriam tal impunidade. "Essas  regras podem optar até mesmo em punir lá e aqui, porque o crime  praticado no caso é transnacional", fala.

Miguel Pereira Neto ressaltou um entendimento do Supremo Tribunal  Federal brasileiro em favor da substituição da pena por outra  alternativa como, por exemplo, prestação de serviços à comunidade. Caso  isso ocorra, o criminalista entende que provavelmente ela não seria  extraditada para o Brasil e cumpriria a pena no Canadá mesmo, mesmo  procedimento caso ela seja não-reincidente e possa responder em  liberdade.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Deus, alimento e remédio