ANTES E DEPOIS DE PRÉDIOS HISTÓRICOS DE FORTALEZA

A história de uma cidade é feita de fatos que aconteceram durante sua criação e desenvolvimento. Partes da história de Fortaleza estão agregadas a prédios antigos e construções históricas que contribuíram de alguma forma com a construção da Capital cearense. As personalidades que se hospedaram nos hotéis Lord e Excelsior ou as decisões tomadas sobre a seca no Palacete Carvalho Mota, por exemplo, ajudaram a moldar de alguma forma a Fortaleza de hoje.
No entanto, nem todas essas construções receberam o devido respeito e cuidado ao longo dos anos. Mesmo tombados e protegidos, alguns imóveis, como a Casa do Português, padecem ao longo dos anos, sendo cada vez mais deteriorados pela ação do clima e do tempo, sem uma previsão de restauração. Outros tiveram destinos melhores, como a Antiga Cadeia Pública, o Banco Frota e Gentil e o Antigo Mercado Central, hoje Centro Cultural Banco do Nordeste. A reportagem do Diário do Nordeste foi conferir como esses locais estão hoje em comparação ao passado.

Casa do Português

 

Ponto de referência na Avenida João Pessoa, no bairro Damas, a Casa do Português foi um símbolo de ostentação na década de 1950, quando começou a ser construída por José Maria Cardoso, um rico comerciante português, dono de madeireira. O proprietário batizou o imóvel com seu nome e o de um santo: Vila Santo Antônio de José Maria Cardoso. Com três andares, a casa foi construída toda em concreto armado e tem ainda duas rampas laterais que davam aos automóveis acesso ao último andar.
NOS DOIS ANDARES SUPERIORES DA EDIFICAÇÃO, FUNCIONOU A BOATE PORTUGUESA
Como sua família não ocupava a totalidade do imóvel, o dono alugou o terceiro e o quarto andar para o empresário Paulo de Tarso, que fundou no local a Boate Portuguesa. Depois da boate, que ficou no imóvel de 1962 a 1968, o espaço ainda foi sede da Associação Nordestina de Crédito e Assistência Rural (Ancar) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce) de 1965 a 1984. Foi ainda uma oficina, um estacionamento e um cortiço.
Inaugurada em 13 de junho de 1953, a Casa do Português foi tombada como patrimônio histórico municipal pela Fundação de Cultura, Esporte e Turismo (Funcet) em 2012. Com isso, o imóvel está protegido de reforma que o desfigure. Segundo o livro "Cronologia Ilustrada de Fortaleza", do autor Miguel Ângelo de Azevedo, o Nirez, foram gastos 29 mil sacas de cimento, 540 toneladas de ferro, 180 milhões de tijolos e 40 mil latas de cal para a construção do casarão.
Em 30 de junho de 1962, inaugura-se a Boate Portuguesa, na Vila Santo Antônio, conhecida como Casa do Português, na Avenida João Pessoa
FOTO: ARQUIVO NIREZ

Casa dos Távora

Construído para ser um pedacinho da Europa em Fortaleza, o célebre Solar dos Távora, localizado na esquina das ruas Conde d'Eu (antiga rua dos Mercadores) e Visconde Sabóia, não é mais o que um dia já foi. Quem entrava no imóvel, que foi local de acontecimentos memoráveis da política local e nacional, poderia se sentir em uma residência belga ou francesa do século XIX, devido às delicadas peças espalhadas pela casa, como quadros e estatuetas, além dos biscuits, pratarias, lustres e candelabros que compunham o interior do imóvel.
O ambiente "europeu", construído no romantismo de seus móveis e obras de arte, se perdeu no tempo. O imóvel, que fica exatamente na esquina oposta à escada da Praça dos Leões, hoje é uma loja de materiais de construção.

Palacete Carvalho Mota

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 19 de maio de 1983, o Palacete Carvalho Mota, no Centro, permanece fechado desde 2004 com a promessa de ser restaurado. A construção histórica funciona hoje como arquivo do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), mas já abrigou o Museu das Secas. Com uma área construída total de 1.344.20 m², o Palacete Carvalho Mota fica localizado na Rua Pedro Pereira, n° 683, esquina com a Rua General Sampaio, no Centro de Fortaleza.
FECHADO EM 2004 PARA RESTAURAÇÃO, O PALACETE CARVALHO MOTA NÃO TEM DATA PARA SER REABERTO AO PÚBLICO
Construído em 1907 para servir de residência para a família do coronel Antonio Frederico de Carvalho Motta, o imóvel foi alugado em 1909 inicialmente para Inspetoria de Obras Contra as Secas (IOCS), que comprou o solar em 1915. Em 1919, o órgão passa a se chamar Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas (IFOCS). Por volta de 1930, é feita uma reforma e ampliação no imóvel, mantendo seus traços gerais de forma a não transparecer as alterações.
Em 28 de dezembro de 1945, pelo Decreto 8.486, passa a denominar-se Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS), que desocupou o imóvel ao fim da década de 70 com a construção da nova sede da Diretoria Regional do Ceará. Em 1983, o imóvel foi restaurado com base em projeto elaborado pelo Iphan, tendo por objetivo a instalação do Museu das Secas, o qual abrigaria o acervo da instituição.
O incêndio no prédio em dezembro de 1912, apenas cinco anos depois de sua construção, destruiu centenas de projetos e documentos importantes do acervo do órgão. Considerado criminoso, vários funcionários e engenheiros foram presos na época.

Lord Hotel

AO LADO DO TEATRO JOSÉ DE ALENCAR, O LORD HOTEL HOSPEDOU ARTISTAS FAMOSOS E PERSONALIDADES BRASILEIRAS, NAS DÉCADAS DE 60 E 70
Com o auge do comércio empreendedor e a implantação de indústrias no Ceará na primeira década do século XX, diversos hotéis foram construídos na cidade, entre eles o Lord Hotel. Inaugurado em 1956, pela família Philomeno Gomes, lá se hospedavam, nesse período, caixeiros, visitantes e viajantes. Construído em concreto armado, o prédio de 8 andares e tem cerca de 120 apartamentos e logo entrou para lista dos melhores de Fortaleza. Arrendado para um casal de suíços até 1959, o Lord Hotel ainda hospedou artistas famosos e personalidades da cena brasileira, nas décadas de 60 e 70, e foi desativado em 1992, transformando-se em apart-hotel.
Tombado pela Fundação da Cultura e Turismo de Fortaleza (Funcet) em 2006, o Lord já havia sido condenado pelo Metrofor desde 2001, quando a gerência do sistema, apoiada pelo governo do Estado do Ceará, tentou demolir o imóvel com a justificava de que a estrutura do Lord não suportaria as obras da Estação da Lagoinha. Em 2011 o prédio ficou totalmente desocupado com a saída da última moradora.

Antiga Cadeia Pública

Construído entre 1850 e 1866, a antiga Cadeia Pública é um projeto do engenheiro Manuel Castro de Gouveia. Desativado após a construção do Instituto Penal Paulo Sarasate, em 1970, o prédio de linhas neo-clássicas foi reformado e passa a funcionar como o Centro de Turismo de Fortaleza, sede da Empresa Cearense de Turismo (Emcetur) desde 1973. Foi tombado pelo Estado em 17 de junho de 1982.
Além de receber turistas e fornecer informações locais para os viajantes, o Centro também abriga um comércio de artesanatos e produtos típicos. O primeiro andar da Emcetur também abriga o Museu de Arte Popular. Já as antigas celas foram transformadas em lojas de artesanato. O pavilhão central abriga tanto a Administração, que já foi enfermaria e o alojamento do carcereiro, como o Museu de Mineralogia e Arte Popular.

O espaço abriga, hoje, mais de 100 lojas, que vendem objetos de decoração, moda praia, renda de bilro e brinquedos de madeira, além de produtos típicos da gastronomia cearense, como castanhas de caju, licores, cachaças, doces e compotas.

Emcetur

Segunda a sábado: de 8h às 17h 
Domingo e feriados: de 8h às 12h

Excelsior Hotel

O HOTEL EXCELSIOR FOI CONSIDERADO O PRIMEIRO ARRANHA-CÉU DE FORTALEZA E EM SEU TERRAÇO FUNCIONAVA UM BAR, CENÁRIO DE RECEPÇÕES DE FESTAS DA SOCIEDADE
Inaugurado no último dia do ano de 1931, na Praça do Ferreira, o Excelsior foi construído no terreno do sobrado do Comendador Machado, mesmo espaço onde também funcionou o Hotel Central e o Café Riche. O comerciante Plácido Castelo comprou o prédio e mandou demolir em 1927 para iniciar as obras do que seria mais tarde considerado o primeiro arranha-céu de Fortaleza.
A decoração interna do Excelsior foi pensada pela italiana Pierina Rossi, esposa de Plácido, utilizando materiais importados da Europa. O hotel foi um dos principais da Capital, passou temporariamente por várias reformas, até que foi fechado definitivamente e encerrou suas atividades hoteleiras após 33 anos de funcionamento, no ano de 1964.
O Excelsior é o último representante da arquitetura eclética na cidade e foi pioneiro com seus sete andares e um terraço, onde funcionava o American Bar, cenário de recepções de festas da sociedade, por sua vista privilegiada. O prédio também tinha um salão de beleza e barbearia e apesar de ter recebido várias personalidades brasileiras enquanto funcionava, o empreendimento entrou em declínio quando a cidade iniciou sua expansão rumo ao leste.
 
Ao longo de sua "vida", o Hotel teve vários proprietários. O primeiro foi Plácido de Carvalho, seguido de sua esposa Pierina, que herdou o imóvel após sua morte. Pierina casa novamente e seu novo marido, o arquiteto húngaro Emilio Hinko, ganha o prédio quando fica viúvo. Hoje o prédio é do único herdeiro vivo do arquiteto no Brasil, seu sobrinho, Janos Fuzesi Junior, que também é o cônsul geral honorário da Hungria. Todos os anos o Excelsior recebe o "Natal de Luz", período em que o prédio serve de palco para o coral das crianças, durante o mês de dezembro.
O prédio é localizado na Praça do Ferreira, coração do centro da cidade
FOTO: SAULO ROBERTO
Ao contrário do que dizem, o Excelsior não é o maior prédio em alvenaria do mundo. Ele começou a ser construído como um prédio de alvenaria de tijolos de três pavimentos, mas quando Plácido quis aumentar o prédio para oito andares, houve alerta dos engenheiros sobre os perigos. Uma estrutura de concreto armado complementar finalizou o empreendimento.
Mesmo que que o prédio fosse totalmente em alvenaria, ele não seria o maior do mundo, nem mesmo naquela época, já que o edifício de alvenaria de tijolos mais alto do mundo é o Monadnock Block, na cidade de Chicago, nos Estados Unidos, com 17 pavimentos, construído em 1891.

Banco Frota & Gentil

Fundada em 1893, a firma Frota & Gentil Sociedade Anônima, do sobralense José Gentil, funcionava em um prédio térreo no mesmo endereço do que seria o Banco Frota & Gentil, esquina das ruas Floriano Peixoto com Senador Alencar. Em 1917, a firma passou a ter seção bancária e em 7 de fevereiro de 1925 a Casa Bancária Frota & Gentil é inaugurada junto do novo prédio, o grande sobrado de esquina que está lá até hoje.
INAUGURADO EM 1925, O PRÉDIO É CONHECIDO POR ABRIGAR INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. O BANCO FROTA & GENTIL FOI UM DOS PRIMEIROS BANCOS DE FORTALEZA
Usando arquitetura eclética, em alta na capital cearense durante as três primeiras décadas do século XX, o prédio construído baseado no projeto do engenheiro cearense João Sabóia transformou-se no Banco Frota e Gentil Sociedade Anônima em 1931. O espaço funcionou até meados da década de 1950. No começo de 1956, a instituição financeira é incorporada ao Banco do Comércio e Indústria de Minas Gerais.
O novo proprietário fica com 70% das ações do Frota e Gentil, além da direção e administração dos seus ativos. Com a falência do banco mineiro, uma filial do Banco Mercantil de São Paulo (Comind) se instalou no prédio. Com a liquidação extrajudicial do Comind em 1985, uma agência do Banco Nacional do Norte (Banorte) ainda chegou a funcionar no imóvel. Tombado em 1995 pelo Estado, atualmente o prédio abriga uma agência do Banco Itaú.

Antigo Mercado Central

Inaugurado em 22 de setembro de 1932, no prédio hoje funciona o Centro Cultural Banco do Nordeste tinha como projeto inicial abrigar um polo de abastecimento de grande parte da Capital, o antigo Mercado Central de frutas e cereais de Fortaleza. Porém, em 1931, antes da finalização do imóvel, o comércio de carnes, frutas e verduras foi proibido dentro do prédio, e as instalações foram ocupadas por produtos utilitários e decorativos feitos artesanalmente, como roupas, artigos de cama e mesa, além de doces e bebidas típicas.
Ao longo dos anos várias reformas foram realizadas, mas em 1975 o mercado foi totalmente renovado e reinaugurado, ocupando um espaço de 1.200m². O local vendia todo tipo de artesanato produzido no Estado, em especial rendas de bilro, redes e cerâmicas. Na época, o turismo de Fortaleza tomou força e passou a se consolidar como importante destino do País. Com isso, o Mercado Central passou a ser visto como atração cultural.
Na década de 1990, após anos sem reformas, o prédio apresentava riscos devido à precariedade das suas instalações. Com aumento de visitantes e da demanda pelos produtos, um novo prédio foi erguido com mais de 9.600 m² de área construída na Av. Alberto Nepomuceno, em 1998, para abrigar o novo Mercado Central de Fortaleza.
Desocupado, o imóvel recebeu o Centro de Referência do Professor, que foi projetado tendo como foco central a restauração e reabilitação do edifício do antigo Mercado Central. Após acordo entre a Prefeitura e o Banco do Nordeste, em 2013, o prédio passou a sediar o Centro Cultural Banco do Nordeste. Apesar de histórico, o prédio não é tombado.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994