Chico Buarque estreia show 'Caravanas' em BH

Em janeiro, a turnê chega ao Rio de Janeiro e, em março, músico se apresenta em São Paulo.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje. (Divulgação)

Chico Buarque está de volta aos palcos. E a estreia nacional de sua turnê Caravanas - inspirada em seu novo disco, homônimo, lançado em agosto -, ocorre na noite desta quarta-feira, 13, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte - a estreia de seu show anterior, Chico, também foi na capital mineira, há 6 anos. No Palácio das Artes, a temporada se estende até dia 17 de dezembro. O tour será retomado no ano que vem, de 4 a 21 de janeiro, no Vivo Rio; de 1º a 11 de março e de 22 de março a 1º de abril, no Tom Brasil; e depois segue para outras capitais.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje. A lista de músicas deve ser mantida em segredo até o show desta quarta, mas, segundo material divulgado para a imprensa, “o roteiro inclui músicas nunca presentes em seus espetáculos oficiais, algumas ausentes dos palcos há muitos anos, além de clássicos e lados B oportunamente resgatados”, ao longo de cerca de 1h30 de show.
Um dos principais lançamentos de 2017 - e já em várias listas de melhores discos do ano -, Caravanas exibe Chico Buarque em suas essências, de cronista, de compositor de canções sobre o amor, a mulher, os casais apaixonados (ou não mais). O novo trabalho conta com a participação de seu neto, Chico Brown - os dois assinam a parceria inédita de Massarandupió. Tua Cantiga, primeira música do disco a ser divulgada, foi apontada como machista, mas as reclamações, sem sentido, perderam força com o tempo.
Quando Chico subir ao palco nesta noite no Palácio das Artes, certamente sentirá a ausência do baterista que o acompanhou por décadas, o saudoso Wilson das Neves, que morreu este ano - por isso, é possível que haja alguma homenagem a ele. Assim como no disco, Das Neves será substituído por Jurim Moreira. Ainda acompanham Chico na turnê o maestro, arranjador e violonista Luiz Claudio Ramos, João Rebouças (piano), Bia Paes Leme (teclados e vocais), Chico Batera (percussão), Jorge Helder (contrabaixo), Marcelo Bernardes (flauta e sopros).

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

O ESPLENDOR DO CARMELO

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos