Ensino religioso trava Base Curricular

O ensino religioso não fazia parte da versão anterior e foi incluída agora pelo governo, com caráter não confessional.
O conselho volta a discutir hoje cedo a BNCC e o ensino religioso será  um dos focos.
O conselho volta a discutir hoje cedo a BNCC e o ensino religioso será um dos focos. (Pixabay)

O ensino religioso foi um dos temas que mais causaram polêmica nesta  segunda-feira, 4, no primeiro dia de discussões da nova versão da Base  Nacional Comum Curricular (BNCC) no Conselho Nacional de Educação. Isso  porque o texto apresentado pelo Ministério da Educação (MEC) prevê que  Religião seja considerada uma área do conhecimento, como Matemática ou  Linguagens, o que desagradou a conselheiros que participaram do debate.  Segundo a lei, o ensino religioso é de matrícula facultativa em escolas  públicas.

A Base vai determinar quais são os objetivos de aprendizagem para as  escolas de todo o País, em todas as etapas de ensino. Essa é quarta  versão do documento, que deve ter um parecer final votado até  quinta-feira pelo conselho. Também serão estabelecidos prazos para que a  regra seja implementada.

O ensino religioso não fazia parte da versão anterior e foi incluída  agora pelo governo, com caráter não confessional. A intenção é de que a  área seja apresentada como Sociologia das Religiões ou Ciência das  Religiões. A informação foi apurada com conselheiros, pois o documento  não foi divulgado para a imprensa até a noite desta segunda-feira.

A Associação dos Jornalistas de Educação (Jeduca), em nota, pediu que o  texto seja tornado público, porque "a sociedade tem o direito de  conhecer, com antecedência, a proposta que está servindo como pilar"  para a discussão. O MEC tem respondido que o texto pode ainda ter  mudanças e só será conhecido quando estiver finalizado.

O conselho volta a discutir hoje cedo a BNCC e o ensino religioso será  um dos focos. Versões iniciais da Base chegaram a considerar a religião.

O último texto, porém, apontava que não trataria da área porque tinha  "caráter optativo" e seria competência de Estados e municípios. Dizia o  texto: "Não cabe à União estabelecer base comum para a área, sob pena de  interferir indevidamente em assuntos da alçada de outras esferas de  governo da Federação".

Em setembro deste ano, porém, o Supremo Tribunal Federal decidiu que não  é inconstitucional oferecer ensino confessional em escolas públicas,  apesar de reafirmar que ele é facultativo. O órgão julgou improcedente  uma ação da Procuradoria-Geral da República que questionava o modelo da  área de religião na educação brasileira.

Além dessa decisão, o governo argumenta que houve diversas contribuições  de grupos da sociedade civil, pedindo a volta do ensino religioso à  Base. Desde abril, o CNE recebeu centenas de sugestões de mudanças no  texto final, e algumas foram incorporadas pelo MEC.

"A decisão do STF não muda nada. Para mim isso esse argumento é cortina  de fumaça. A inserção do ensino religioso agora é resultado de pressão  de grupos de interesse", diz o pesquisador da Ação Educativa e professor  de Direito da Universidade Federal do ABC (UFABC), Salomão Ximenes.

Gênero

Fora o ensino religioso, o texto deve manter a exigência de que as  escolas alfabetizem as crianças até o fim do 2º ano do ensino  fundamental (e não do 3º ano, como é hoje). A nova versão da Base não  deve fazer menções claras a questões de gênero e de orientação sexual,  como havia em versões anteriores. 

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Por que há tão poucas chefs mulheres?

Convém pensar

Fernando Pessoa, instigador da vanguarda portuguesa

Com muito carnaval, Olinda comemora o Dia do Frevo nesta sexta-feira

Documentário sobre papa Francisco chega a cinemas dos EUA em maio