Obras e trajetórias literárias inspiram documentários nos Estados Unidos e no Brasil

por Dellano Rios - Editor de área
Image-0-Artigo-2331910-1
Não é fácil para um documentário disputar a atenção do público, no contexto da TV paga e de seus correspondentes virtuais - os serviços de streaming, como Netflix e Amazon Prime Video. Os norte-americanos até falam em uma "Era de Ouro da Televisão", a partir de 2000, baseados na qualidade de suas ficções seriadas. O cardápio de novas séries monopoliza as atenções e as iniciativas de divulgação. Tanto que pouca gente deve ter percebido "Voyeur", título que entrou quase na surdina no catálogo da Netflix na última sexta-feira, 1.
"Voyeur" é um documentário conduzido por dois jovens e desconhecidos cineastas, Myles Kane and Josh Koury. Diante das câmeras, contudo, eles têm uma celebridade, do tipo que apenas um mercado editorial forte é capaz de criar. O escritor Gay Talese, 85 anos, é um dos grandes nomes do que ficou conhecido por New Journalism ("Novo Jornalismo"). Suas obras de não-ficção continuam a vender e a chamar a atenção do público e da crítica norte-americana.
O documentário é baseado no livro mais recente de Talese, "O Voyeur" (lançado no Brasil, ano passado, pela Cia. Das Letras). Trata-se de uma reportagem longa sobre Gerald Foos, dono de um hotel de beira de estrada, que construiu um estrutura para dar, a ele e à esposa, a possibilidade de espionar o quarto de seus hóspedes. O tema nem fez tanto burburinho, comparado às acusações do Washington Post, de que a fonte/personagem teria inventado fatos, endossados por Talese ao publicá-los. Steven Spielberg queria produzir, com Sam Mendes dirigindo, uma versão da história, mas desistiu após a confusão.
No mês passado, a Netflix já tinha disponibilizado um documentário centrado em outra figura importante do New Journalism. "Joan Didion: The Center Will Not Hold" é um ensaio retrospectivo da carreira de Didion, 82 anos. Autora de best sellers como "O Ano do Pensamento Mágico", ela é famosa por um texto carregado de marcas pessoais. Didion se mostra nas histórias que conta; ao mesmo tempo, dotado de uma percepção que revelam uma inteligência invulgar. O filme foi dirigido por um sobrinho da escritora, o ator Griffin Dunne ("Um Lobisomem Americano em Londres" e "Depois de horas").
Histórias
Os documentários sobre Talese e Didion acertam ao registrar estes veteranos ainda em ação. São oportunidades de indagar autores de porte a respeito de seus ofícios. Recentemente, outros filmes recuperaram grandes nomes da não ficção norte-americana. A HBO exibiu por aqui o excelente "Sobre Susan Sontag", um perfil que Nancy D. Kates fez da ensaísta, autora de "Contra a interpretação". Já "Eu não sou seu negro", de Raoul Peck, concorreu ao Oscar de documentário no ano passado. O filme é uma tradução visual para um ensaio (inacabado) do escritor James Baldwin, sobre a militância negra nos EUA em ebulição, por conta das tensões raciais dos anos 1950 e 1960.
Por aqui, nossos escritores ainda carecem de documentários à altura de suas obras e de suas personalidades. A literatura, como os quatro filmes até aqui mencionados mostram, é um excelente ponto de referência para se compreender as fissuras no tecido social.
Mês passado, estreou, em algumas capitais, "Lygia, uma escritora brasileira". É um retrato consistente de Lygia Fagundes Telles. O público cearense ainda não pode vê-lo. Mas a notícia de sua existência já deve ser celebrada. Sobretudo, se ajudar a abrir um filão por aqui.

Saiba mais
Voyeur (EUA, 2017)
De Myles Kane eJosh Koury. Com Gay Talese. Disponível na plataforma de streaming Netflix
Joan Didion: The Center Will Not Hold (EUA, 2017)
De Griffin Dunne. Com Joan Didion. Disponível na plataforma de streaming Netflix
Eu Não Sou Seu Negro (EUa/ França, 2016)
De Raoul Peck. Com James Baldwin. Disponível para locação no Globosat Play e iTunes; e em DVD
Lygia, uma Escritora Brasileira (Brasil, 2016)
De Hélio Goldsztejn. Com Lygia Fagundes Telles, Jô Soares, Maria Adelaide Amaral. Em cartaz em cinemas no Sul e Sudeste, é uma produção da TV Cultura que deve chegar à TV e ao formato DVD

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

MALALA

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais