Twitter reforça regras sobre conteúdo 'de ódio e abusivo'

Rede enfrenta críticas sobre sua forma de lidar com usuários que promovem o ódio na rede, o que a levou a eliminar o símbolo azul de verificação de várias contas.
O Twitter proibirá qualquer conteúdo que
O Twitter proibirá qualquer conteúdo que "glorifique a violência, ou aqueles que executarem um ato violento", assim como "imagens de ódio" (AFP/Arquivos)

O Twitter anunciou nessa segunda-feira (18) que começou a aplicar novas regras para filtrar conteúdos "de ódio" e "abusivo" na rede social, incluindo mensagens que promovam ou façam apologia da violência.
Há algum tempo a plataforma enfrenta críticas sobre sua forma de lidar com usuários, grupos e conteúdos que promovem o ódio na rede, o que a levou a eliminar o símbolo azul de verificação das contas de conhecidos nacionalistas americanos brancos no mês passado.
"As ameaças específicas de violência e desejos de dano físico grave, morte, ou doença, a um indivíduo, ou grupo de pessoas, viola nossas políticas", estabelecem as novas regras.
Também será proibido qualquer conteúdo que "glorifique a violência, ou aqueles que executarem um ato violento", assim como "imagens de ódio", incluindo logotipos e símbolos associados com "hostilidade e maldade" com grupos específicos.
O Twitter também informou que suspenderá "as contas que se afiliarem a organizações que usem, ou promovam, a violência contra civis para visibilizar suas causas".
Mas a rede social esclareceu que não bloqueará as contas de entidades militares e do governo, e que considerará abrir exceções "para os grupos que atualmente estão participando (ou se comprometeram) com uma resolução pacífica".
As políticas de uso foram alvo de críticas no mês passado, quando a rede não tomou nenhuma medida após um dos tuítes do presidente Donald Trump parecer uma ameaça de violência com a Coreia do Norte.
O Twitter respondeu com a promessa de revisar sua política enquanto assinalava que deve-se levar em conta a "notoriedade" e o interesse público no momento de decidir se apaga um tuíte.
A nova norma marca o mais recente esforço das redes sociais para eliminar conteúdo que promova atividades ilegais e abusivas, tentando permanecer aberta à dissidência e a temas polêmicos.
Uma conta que já não está visível no Twitter é a da líder da organização britânica de ultradireita Britain First, Jayda Fransen, cujas mensagens anti-Islã foram retuitadas por Trump; assim como a de outro líder do grupo, Paul Golding.
O Twitter não quis fazer comentários sobre nenhuma conta em particular e não deu informações imediatas sobre o número de usuários atingidos pela nova disposição, assinalou uma porta-voz.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

MALALA

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais