Cultura: Souto de Moura desenha capela para pavilhão da Santa Sé na Bienal de Arquitetura de Veneza

Primeira presença do Vaticano nesta iniciativa
Cidade do Vaticano, 25 jan 2018 (Ecclesia) – O arquiteto português Eduardo Souto de Moura, vencedor de um prémio Pritzker, é um dos dez convidados pela Santa Sé para a conceção do seu primeiro pavilhão na Bienal de Arquitetura de Veneza.
O Conselho Pontifício da Cultura (Santa Sé) anuncia, em comunicado, que o Vaticano vai marcar presença na 16ª edição da mostra internacional, de 26 de maio a 25 de novembro deste ano, com um pavilhão na ilha de San Giorgio Maggiore.
A participação inédita vai ser feita através da construção de dez capelas projetadas por arquitetos de diversas partes do mundo.
A inspiração para o pavilhão da Santa Sé será a “Capela no Bosque”, construída em 1920 por Gunnar Asplund no cemitério de Estocolmo.
O projeto é promovido diretamente pelo cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura, com curadoria de Francesco Dal Co, historiador italiano de arquitetura.
“Dez arquitetos de comprovada experiência e com formações diferentes, foram convidados a propor e realizar cada um uma capela, usando diferentes materiais”, assinala a nota divulgada pelo organismo da santa Sé.
No projeto e na realização das estruturas vai ser tida em consideração a possibilidade de reutilizar as capelas depois da exposição.
Os arquitetos da Itália, Espanha, Portugal, Reino Unido, EUA, Austrália, Brasil, Japão, Chile, Sérvia e Paraguai são chamados a apresentar capelas “isoladas, colocadas num ambiente natural e abstrato, metáfora do peregrinar da vida”.
A apresentação oficial do projeto da Santa Sé e dos arquitetos participantes vai decorrer em abril, na sala de imprensa do Vaticano.
Segundo o site especializado ‘Archdaily’, os outros arquitetos convidados são Carla Juaçaba, Brasil; Smiljan Radic, Chile; Javier Corvalán, Paraguai; Eva Prats & Ricardo Flores (Flores & Prats), Espanha; Sean Godsell, Austrália; Norman Foster, Reino Unido; Andrew Berman, Estados Unidos da América; Teronobu Fujimori, Japão; Francesco Cellini, Itália.
OC

Comentários

Mais Visitadas

Garimpeiro do conhecimento

A linguagem do amor

Cannes: Filmes de qualidade, mas sem ousadia

O saber na periferia do conhecimento

História do transporte de passageiros é contada em Centro Cultural da Fetrans