Governança

Gonzaga Mota*
Com base numa análise resumida, pode-se dizer que "governança corporativa", expressão relativamente nova na administração, é um sistema mediante o qual empresas são dirigidas observando-se a interação entre proprietários, sócios, CEO, conselhos, diretoria, empregados, órgãos de fiscalização (interna e externa), enfim, de entes envolvidos no processo. As práticas de "governança corporativa" visam obter, de forma estratégica, informações que permitam uma tomada de decisão compatível com a expansão do valor econômico, a longevidade, o equilíbrio, o bem comum, as diretrizes éticas e a qualidade da gestão.
Objetivamente, são quatro os princípios básicos: equidade, transparência, prestação de contas e compliance. A "equidade" é o reconhecimento daqueles que atuam na empresa e participam da cadeia produtiva. A "transparência" é importante para redução do risco, aumento do investimento e eliminação da corrupção, pois os sistemas de auditoria interna e de fiscalização externa deverão ser justos e eficientes.
A "prestação de contas" poderá demonstrar tanto a seriedade ou não das operações, como a evolução econômica positiva ou não da organização. Já a "compliance" é a ação que abrange o conceito de responsabilidade. Para tanto, serão observadas as regras legais, oriundas da CVM (mercado de capitais), do Bacen (crédito) e da Susep (seguro), dependendo do tipo de empresa aqui no Brasil. Por sua vez, a "governança corporativa" pode ser utilizada em sociedades públicas e privadas e de capital aberto ou fechado. Ademais, é uma maneira de aumentar a produtividade.
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU