Obras em exibição na mostra "Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz" no Museu Coleção Berardo, em Lisboa, Portugal partirá para Roma

por Caroline Ribeiro - Especial para o Caderno 3
Obras em exibição na mostra "Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz" no Museu Coleção Berardo, em Lisboa, Portugal. A partir do dia 23 de fevereiro a exposição estará em Roma (Foto: Lucas de Menezes /div.)
Zara Castro, aluna do curso de cinema e audiovisual da Universidade de Fortaleza (Unifor), visitou na última sexta-feira (26) a exposição "Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz", em cartaz no Museu Coleção Berardo, em Lisboa, Portugal.
A viagem foi graças à vitória no concurso "Unifor e Você em Lisboa", que premiou a aluna e um professor que apresentaram os melhores textos sobre a exposição. O concurso recebeu mais de 100 participações. "Foi de última hora", diz Zara, "não achei que ia dar em nada, então foi uma surpresa muito boa, fiquei muito feliz", conta a aluna.
Zara conferiu de perto as 76 obras da exposição, que traça um percurso cronológico sobre a produção modernista no Brasil dos anos de 1920 a 1960. O historiador Renato Santos, guia durante a visita para a aluna, ressalta que, através destes trabalhos, é possível mostrar "como o modernismo brasileiro estava na vanguarda dos acontecimentos de então. Este abrir de horizontes, no fundo, também mostra que a representação artística modernista não era só no contexto europeu ou norte-americano", explica o historiador.
Itália
Sucesso de público e crítica em Portugal, a exposição "Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz" deixa em 12 de fevereiro o Museu Coleção Berardo, mas prossegue em solo europeu. De 23 de fevereiro a 5 maio, a mostra estará em cartaz na Embaixada do Brasil em Roma
Essa é a primeira mostra internacional da Fundação Edson Queiroz, lançada em outubro de 2017 em Lisboa, numa área de 760 m², sob curadoria de Regina Teixeira de Barros e projeto dos arquitetos Daniela Alcântara e Rui Campos Matos. A presidente da Fundação Edson Queiroz, Lenise Queiroz, destaca a importância da exposição para a arte e a cultura brasileiras.
"Sinto que esta exposição, inicialmente em Portugal e depois em Roma, é de muita importância não só para a Unifor e para a Fundação Edson Queiroz, mas para o Estado do Ceará e de certa forma para o Brasil, porque trouxemos 76 importantes obras do modernismo brasileiro para um continente que transpira arte", destacou ela.
Emocionado, o chanceler da Universidade de Fortaleza (Unifor), Edson Queiroz Neto frisou a realização de um projeto sonhado pelo seu pai, Airton Queiroz. "Sinto-me muito emocionado porque esta exposição no exterior foi a última grande alegria do meu pai. Ele sonhava com esse projeto internacional", ressalta.
No Brasil, além do Ceará, a mostra passou por São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Garimpeiro do conhecimento

A linguagem do amor

O saber na periferia do conhecimento

Cannes: Filmes de qualidade, mas sem ousadia

História do transporte de passageiros é contada em Centro Cultural da Fetrans