Sem Título Arte abre nova exposição do artista visual Junior Pimenta

Fotografias da série Adentrar%u2019evidenciam o gesto do corpo como um lugar de resistência FOTOS DIVULGAÇÃO
Fotografias da série Adentrar%u2019evidenciam o gesto do corpo como um lugar de resistência FOTOS DIVULGAÇÃO
A expressão “não pertencer”, no sentido de não se reconhecer – seja a um lugar, a uma turma, a um determinado padrão de comportamento pré-estabelecido – faz parte da trajetória de Júnior Pimenta há um certo tempo. Natural da cidade de Orós (distante 410km de Fortaleza), mudou-se aos 14 anos de idade para a capital mineira, permanecendo lá por um período de cinco anos. “Uma tia, que morava em BH, convidou e eu fui. Foi uma mudança... enorme. De uma cidade que conhecia todos para uma que não conhecia quase ninguém. Uma cidade que não me pertencia”, relembra.
Artista visual e atualmente mestrando em Artes pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Júnior Pimenta teve como ponto de partida a reflexão sobre pertencimento para sua terceira exposição individual, batizada de Vá em frente, volte pra casa!. A residência artística em São Paulo, em decorrência da premiação durante o 67º Salão de Abril (2016), foi fundamental nesse sentido. A atual exposição, que surge após Âmago (2013) e Descaminhos (2014), abre hoje, às 19 horas, na Sem Título Arte (Aldeota), seguindo com visitação gratuita até 22 de fevereiro.
Sobre o título, a justificativa: “Em janeiro de 2017, me deparei com a situação de um refugiado (do Gabão) que morava legalmente na Itália, tinha autorização pra viver lá, e ele se joga no canal de Veneza – não sei a razão, se foi num surto devido aos ataques xenofóbicos que ele sofria por não pertencer àquele lugar – e vários turistas e cidadãos italianos filmam aquela situação, algumas pessoas jogam algumas moedas, mas ninguém tentar salvá-lo de fato. Se não bastasse isso, ainda proferiam frases e uma delas foi ‘Vá em frente, volte pra casa!’, mandando ele nadar, se jogar e voltar pra casa. Essa frase ficou marcada em mim e acabou virando o nome da exposição”, explica.
Para além dessa situação pontual, Júnior também sentiu na pele esse questionamento. “Fiz o ensino médio lá em Belo Horizonte e era comum eu escutar como ‘o que é que eu fui fazer lá’, ‘por que eu fui morar lá’, ‘por que eu não voltava pra minha terra’, ‘se eu tinha ido lá roubar as vagas deles’... E era bem estranho pra mim pensar que a gente morava no mesmo país, então por que eu não podia circular e estar ali, né? E era um lugar que não me pertencia”.
Em Vá em frente, volte pra casa!, cuja curadoria é assinada por Marcelo Amorim (GO), Júnior Pimenta apresenta seis trabalhos, divididos entre fotografias, instalações, bandeira e objeto. “O trabalho não nasce de uma coisa só, vem de coisas anteriores. Esse trabalho da bandeira, na realidade, me veio em mente a partir de uma música do Cidadão Instigado, que é Apenas um Incômodo. No final da música, ele fala ‘Só tenho um sonho que já é meu e duas palavras pra lhe dizer nesse instante: Me aguente’. Esse ‘me aguente’ foi uma coisa que me marcou muito. A partir disso, eu resolvi desenvolver um desses trabalhos”.
No caso das fotografias, estas fazem parte de uma instalação chamada Adentrar, a partir do tema em questão. “Fui me interessando por esse gesto do corpo, o gesto como lugar de resistência, o corpo que não se contenta com esse limite imposto por um muro”, resume.
SERVIÇO
Abertura da exposição Vá em frente, volte pra casa!, de Júnior Pimenta
Quando: hoje, 17, às 19horas, prosseguindo até 22 de fevereiro
Onde: Sem Título Arte (rua João Carvalho, 66 – Aldeota)
Entrada franca
Outras info: (85) 99742 2701

TERESA MONTEIRO
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU