Dom Helder: 109 anos


Pe Geovane Saraiva 
A imagem pode conter: 1 pessoaQuem se deixa tocar por Jesus de Nazaré, a exemplo de Dom Helder Câmara, sente em si uma transformação divina, fica muito livre e, evidentemente, põe-se a servir dentro da lógica do amor, na busca do grande milagre da vida, que são dom e graça. Como a vida é uma caminhada, com uma estrada a percorrer, ensinou-nos a rezar nesta estrada: “Como é bom rezar na estrada, longe das luzes das cidades, sem lua e apenas entregue às estrelas! Pensei nos caminhos e nos descaminhos; nas estradas largas e nos atalhos; nas autoestradas e nos caminhos esburacados, lamacentos, intransitáveis (...)”. Deus seja louvado por Dom Helder! No seu empenho em devorar longas estradas, quis restabelecer o bem-estar no mundo, com seu sonho de solidariedade, justiça e paz.

Dom Helder, diante das exigências e do respeito pela vida como um todo, despertou e ensinou em muitas pessoas, de maneira nova, a confiança e o fascínio pela novidade do reino, proclamado por Jesus. Tal foi sua estreita comunhão com Deus, sua vontade de viver, de fazer o bem e de ver o mundo transformado, solidário e fraterno. Como criatura humana, profundamente amada por Deus, “queria ser uma humilde poça-d’água, para refletir o céu”. Assim, numa grande visão pedagógica desse mesmo mundo, sempre nos ensina a utopia do reino: “Quando se sonha no isolamento, é só um sonho, mas, quando o sonho é em comunidade, já é começo de uma nova realidade”.

Não esquecer jamais o menino Helder, nascido há 109 anos, aos 7 de fevereiro de 1909, em Fortaleza, Ceará, onde cresceu brincando de celebrar missa e, ao receber o conselho do pai, quando soube que queria ser padre, escutou dele: “Meu filho, você sabe o que é ser padre? Lembre-se de que padre e egoísmo nunca podem andar juntos. Padre tem que se gastar e se deixar devorar”. Dom Helder toma a decisão de ir para o Rio de Janeiro em 1936 e Dom Manoel da Silva Gomes, seu arcebispo, ao saber do desejo do jovem padre, assim se expressou: "Meu filho, é Deus, é Deus que está lhe chamando para o Rio de Janeiro. Vá, meu filho! Vá!”.

O encontro de Dom Helder Câmara com Dalai Lama - dois grandes pacifistas - no Rio de Janeiro, em 1992, bem que nos ajuda a refletir e pensar na boa semente plantada no coração do povo de Deus pelo Artesão da Paz no século XX, numa longa estrada: 1909 a 1999. Diante dos sinais de morte e tribulações, pelos quais passa a humanidade, Dom Helder quer mexer com nossa insensibilidade e indiferença: “Que sementes desejo espalhar pela Terra? Sementes de paz, de amor, de compreensão e de esperança. Há tanto desespero, desengano, decepção, frustração e desesperança! Sementes de esperança chegariam em boa hora”. Amém!

Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994