Secultfor e curadoria da edição passada avaliam retorno da Prefeitura de Fortaleza à organização do Salão de Abril

Minimuseu Firmeza (mais acima) e Galeria Multiarte, dois espaços que abrigaram o “Salão de Abril Sequestrado” ( Fotos: Cid Barbosa/Fabiane de Paula )
Para a gestão da Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), o momento não se trata, exatamente, de uma "retomada" do Salão de Abril. Segundo Norma Paula, coordenadora de Ação Cultural da Secultfor, os gestores da pasta reconhecem a legitimidade da edição passada, realizada pela classe artística e independente da ingerência do poder público.
Norma destaca que, com a abertura das inscrições para o 69º Salão, a Prefeitura de Fortaleza encara o momento "com muita tranquilidade". "Para a Secultfor não houve uma parada. Houve uma iniciativa válida (dos artistas) de fazer aquela edição. E nós estamos dando continuidade (à realização do evento), com um novo edital", avalia a gestora.
Indagada sobre como foi a experiência de disponibilizar o edital das inscrições antes, para consulta pública, no período de 22 de dezembro de 2017 a 21 de janeiro passado, Norma Paula pontua que o processo foi "excelente", mas admite que esperava uma participação maior do público.
A consulta começou na véspera do período de festas de fim de ano. "Daí tivemos poucas contribuições, a maior parte delas foi aceita. Algumas (sugestões) já estavam de acordo com o que vínhamos pensando. E muita gente procurou o e-mail da consulta para realizar a inscrição das próprias obras, mas orientamos que a abertura só seria agora", recapitula.
Sobre a curadoria, Norma Paula informa que a Secultfor deverá divulgar o nome responsável pela seleção das 30 obras do 69º Salão de Abril em "breve". A gestora não deu prazo para o anúncio. "Não tenho como dar o prazo, porque antes a Procuradoria Geral do Município precisa aprovar. Mas teremos uma pessoa, de renome internacional, e mais dois ou três pareceristas locais", detalha.
Legitimidade
Questionada como a Secultfor reconhece hoje o "Salão Sequestrado" (a edição passada), Norma Paula pontua a história do evento e lembra que o Salão de Abril começou, na década de 1940, por iniciativa própria dos artistas. Ela alega que a Prefeitura de Fortaleza não realizou o projeto, em 2017, por conta de um processo de adaptação da gestão da pasta.
"Foi o primeiro ano da gestão do professor Evaldo Lima, então tudo saiu um pouco mais tarde. Todos os editais, do Carnaval, tudo, temos de submeter a Central de Licitações da Prefeitura de Fortaleza (CLFOR). É a CLFOR que efetiva, embora a gente que organize, elabore o edital", explica Norma.
Indagada se o "Salão Sequestrado" provocou, de alguma forma, mudanças na maneira como a atual gestão da Secultfor encara a realização do próximo Salão de Abril, a gestora pontua que "pra gente, é muito verdadeiro que todo artista tome esse tipo de iniciativa. Fica a lição (para a Secultfor) de pensar novas formas (de realizar o evento), de ouvir os artistas, não apenas pelo processo de consulta pública, e de pensar novos lugares", destaca.
Norma Paula observa que a própria escolha da Casa do Barão de Camocim para realizar o 69º Salão de Abril teve a ver com essa reflexão. "Achamos que era um lugar mais acessível (à população)", resume.
Experiência
Para o artista visual e produtor do Festival Concreto de Artes Visuais, Narcélio Grud, realizar o "Salão Sequestrado" no ano passado fez sentido para fortalecer a união dos artistas visuais do Estado. "Não é uma coisa tão comum de acontecer, falando pelas artes visuais. Só isso já foi um ponto bem legal: pactuar as pessoas que trabalham há muito tempo na área, e os mais novos", observa.
Ele coloca que, além dos realizadores, a mobilização instigou o intercâmbio entre os vários espaços culturais que sediaram as exposições.
Grud e mais oito pesquisadores e artistas visuais locais fizeram a curadoria da edição passada. Para ele, o protesto surtiu efeito e a prova disso seria a retomada da Prefeitura de Fortaleza este ano. "Abriu-se a consulta pública para o edital, e eu achei isso muito positivo. Toda essa conexão, todo esse movimento ajudou a realização da próxima edição", pontua o artista.
Indagado se pretende se inscrever para compor a programação do 69º Salão de Abril, Narcélio Grud adianta que sim, embora não tenha efetivado a inscrição ainda. "Uma das maneiras de fazer o Salão permanecer vivo é participar. Só assim os artistas circulam. Não sei ainda como será a comissão julgadora. Só vi que terá gente daqui, e de fora também, (então) fica mais isento", percebe Grud. O artista complementa: "em Fortaleza, as pessoas são próximas e é normal que os curadores já conheçam os trabalhos dos artistas. E às vezes, nesses concursos, a gente não consegue avaliar a potência de um trabalho só através de fotos e descrições", diz.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994