Você sabia que Karl Marx escreveu poemas e um romance satírico?

Karl Marx
Réplica de Karl Marx num museu em Berlim: apenas um boneco de cera ou o autor de textos que viraram o munto de cabeça para baixo? (Steffen Kugler/Getty Images)
"e Escorpião, estimulado pelas histórias do amigo Félix, arrebatado pela melodia inflamada e subjugado pelos sentimentos juvenis do companheiro, enamorou-se de Margarida, a cozinheira, supondo que ela fosse uma fada. Presumo a partir desse fato que as fadas têm barba, pois Madalena Margarida — não se trata da Madalena arrependida — ostentava barba e bigode, como um glorioso guerreiro.
O fragmento acima pertence a um romancinho meio descontínuo e muito nonsense chamada Escorpião e Félix. Foi escrito por um jovem alemão de 18 ou talvez 19 anos que respondia pelo nome de Karl Heinrich Marx, o mesmo que mais tarde redigiria um manifesto (em parceria com o amigão do peito Engels) incitando os trabalhadores do mundo à união e, ainda mais tarde, então em carreira solo, publicaria uma obra em vários volumes chamada O Capital, que, mesmo lida por poucos e entendida por quase ninguém, modificaria a face política do planeta.
Para o bem da literatura alemã e da sua própria imagem como estudante de filosofia, Marx nunca publicou seus escritos ficcionais, tampouco seus versos eivados de romantismo juvenil, todos sofríveis segundo os críticos que tiveram o dever ou a curiosidade de lê-los. Como, então, o fragmento acima e o texto integral da novela chegaram a nós? A resposta tem a ver com um certo Herschel Marx, pai do malfadado ficcionista. (Estou exagerando ao denegrir o talento do jovem Karl? Cá entre nós, até que o fragmento acima é bem espirituoso).
Não é justo afirmar que Marx odiasse o pai, mas é possível deduzir que o desprezasse com toda a petulância de sua juventude. Ao receber a notícia da morte do seu velho, Marx deu de ombros e disse que tinha mais o que fazer em Berlim antes de se locomover até um enterro piegas e sem sentido. Mesmo assim, em anos anteriores, talvez por deboche, talvez por consideração, confiou ao pai o caderno com os manuscritos dos seus poemas e do seu romancinho.
Para marxistas ou antimarxistas, a leitura dessa ficção vale como curiosidade, até porque o texto é curto e não consumirá muito tempo do leitor, mas vale, sobretudo, como reflexão hipotética: o que teria acontecido ao mundo se Marx houvesse se tornado um ficcionista de sucesso? É possível que a sua outra ficção — a igualdade entre os homens assegurada por um estado centralizador — ainda estivesse por ser escrita?
Veja

Comentários

Mais Visitadas

Nomofobia: O medo de desconectar

Fundação Edson Queiroz realiza mostra de arte

Documentário sobre 'impeachment' de Dilma no Festival de Cinema de Berlim

"Um erro, uma barbárie, uma desumanidade", diz Vargas Llosa sobre a pena de morte

Solenidade de posse do Dr. Régis Frota, na Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza