Brasil celebra literatura feminina no Salão do Livro de Paris

mediaO Salão do Livro de Paris acontece desta sexta-feire (16) a segunda-feira (19).Divulgação
O empoderamento das mulheres ganha também o Salão do Livro de Paris, inaugurado nesta quinta-feira (15). O Brasil, que participa tradicionalmente do evento, decidiu celebrar neste ano a literatura feminina.



Dos vinte autores que participam de debates e sessões de autógrafos no estande brasileiro no Salão do Livro de Paris, treze são mulheres. A programação do espaço foi montada pela embaixada brasileira de Paris, que é a responsável pela participação do Brasil no evento, em parceria com a Primavera Literária e com o Centro de Pesquisas sobre Literaturas e a Sociopoética (CELIS). Segundo os organizadores, o que une as participantes, além do fato de serem mulheres e escritoras, é o incessante resgate da memória, ainda que ficcional, como ferramenta da construção identitária e resgate da própria palavra, silenciada há séculos”.
Três autoras de renome, e que já têm romances publicados em francês, foram especialmente convidadas pela embaixada: Ana Maria MachadoConceição Evaristo e Guiomar de Grammont. Existe uma escrita feminina? Essa foi a questão levantada pelas três autoras em um debate antes da abertura do Salão. Ana Maria Machado disse que pensa que "existe uma literatura feminina, mas seria incapaz de defini-la”. Ela acredita que os livros escritos por mulheres são diferentes, têm uma outra abordagem.
Conceição Evaristo afirma que escreve com seu “corpo de mulher negra”. A oralidade é a marca principal de sua literatura. Ela lembra que, no passado, as negras, escravas e empregadas analfabetas contavam histórias para adormecer os filhos de seus patrões. “Eu, ao contrário, escrevo para acordar as pessoas”, diz a escritora que milita pelos direitos das mulheres e afrodescendentes.
Abertura para autores lusófonos
Pela primeira vez, o estande brasileiro abre espaço para autores lusófonos. A veterana Lídia Jorge, um dos maiores nomes da literatura portuguesa, vai participar ao lado das escritoras brasileiras de várias mesas sobre a literatura feminina.
Outros destaques são a cantora e compositora Adriana Calcanhotto e a consultora de moda Cristina Cordula. A famosa apresentadora de TV do canal M6 francês estará autografando no salão seu guia de moda. Novos talentos femininos também terão seu espaço no estande e não podemos deixar de ressaltar o trabalho de Márcia Bechara, autora de contos de ficção e jornalista da RFI.
Mas os homens não ficaram de fora. O jovem e engajado escritor Julián Fuks vai estar lançando no salão seu primeiro romance traduzido para o francês, "Resistir". O livro, vencedor do Jabuti e do prêmio Saramago de literatura em 2017, está sendo lançado com o título “Ni partir ni rester”.
A Rússia é o país convidado do Salão do Livro de Paris, o maior evento do mercado editorial francês, que acontece até a próxima segunda-feira (19).

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994