Começa amanhã o Qxas, I Festival de Fotografia do Sertão Central

Teresa Monteiro

O Sertão Central como paisagem e perspectiva para novos olhares, encontros e descobertas. A partir de amanhã, 13, e prosseguindo até sábado, 17, as cidades cearenses de Quixadá e Quixeramobim (distantes, respectivamente, 167 e 203km de Fortaleza) sediarão o Qxas – Festival de Fotografia do Sertão Central. Em sua primeira edição, o evento contará com uma extensa programação que vai de lançamentos de livros e exposições a workshops, palestras, oficinas e leituras de portfólio, com a presença de profissionais locais, nacionais e internacionais.

Festas religiosas pelo Brasil e o mundo destacam o trabalho do fotógrafo documental Guy Veloso (PA)

Tendo à frente o Instituto da Fotografia (Ifoto) e o Fórum Cearense da Fotografia, o I Qxas vai se debruçar sobre o tema O Sertão de Conselheiro, numa referência ao centenário de nascimento do beato e aos 120 anos do massacre conhecido popularmente como Guerra de Canudos. “Sou filho de Quixeramobim, mas, quando criança, essas histórias não me chegaram muito. Entrei muito tarde nesse meio (da fotografia), mas a ideia do Festival aconteceu porque, no ano passado, encontrei com um amigo — e já se passavam dez anos do espetáculo Os Sertões, do Zé Celso Martinez — que sugeriu fazer uma exposição com as fotos da montagem”, explicou Beto Skeff, diretor presidente do Ifoto.

Registro que integra o livro "Canudos: 100 Anos" (1997), de Evandro Teixeira, lançado no ano do centenário do massacre

A formatação do que viria a ser o Qxas surgiu logo na sequência. “O bom disso é que ele está começando já bem grande. E a ideia também não é só envolver a comunidade, é plantar uma semente para que, daqui a uns quatro, cinco anos, aquela região torne-se um polo produtor de imagem e que as pessoas pensem na fotografia de uma maneira mais séria. Estamos na era das imagens, né?”, vislumbra Beto. Glícia Gadelha, coordenadora do Fórum Cearense da Fotografia, reforça a questão da formação.

Durante os cinco dias de evento, os workshops (apenas três deles são pagos) e as oficinas em escolas públicas terão atenção especial. “O festival já nasce com várias atividades de formação, principalmente em escolas da rede pública. Oficinas irão acontecer em quatro escolas da zona rural, então a meta é que essas atividades sejam de formação continuada. Na E.E.F.M. Cel. Humberto Bezerra, por exemplo, já existe uma disciplina de fotografia constante. Então a gente vai estender essa proposta ao longo do ano”, explicou Glícia.

Em Quixadá, as ações do Qxas Festival irão ocorrer na Casa de Saberes Cego Aderaldo. Em Quixeramobim, serão realizadas no Memorial Antônio Conselheiro, Casa do Conselheiro, Sesc Ler e Liceu, além de escolas municipais e Ponte Metálica.

Dentre os participantes, o Descoletivo — formado por Marília Oliveira e Régis Amora — terá como foco o lançamento de sua mais recente publicação, Tempo Imperfeito (2017), “que funciona como uma experiência visual acerca da trajetória de 15 anos da Camilly Leycker, ator transformista cearense. A ideia é que possamos lançar em Quixeramobim. Para nós, é de uma emoção muito grande, pois a família da Camilly é praticamente toda do Sertão Central. Sem falar que é uma iniciativa louvável e feita por gente que acredita na fotografia realizada a partir do Ceará”, celebra Régis.

O sertão fascina a qualquer um que esteja aberto a conhecê-lo"

A carga de simbolismos intrínsecos ao sertão, para Régis, é outro chamariz que agrega ao Festival. “Se pararmos para pensar na aridez de trabalhos fotográficos que se debruçam de forma respeitosa, interessada e não-fetichista sobre o universo trans, aí podemos dizer que o sertão de Antonio Conselheiro é o sertão de todos nós. O sertão, em si, carrega um forte simbolismo de resistência que abarca, por isso, tantas causas e minorias. A temática não poderia ser mais instigante, embora acredite que os seus resultados irão extrapolar o universo do sertão para outras possibilidades de interpretação dentro da fotografia contemporânea”, aponta o fotógrafo.

“O sertão tem uma riqueza maravilhosa, que foi muito bem explorada em exposições como Cocosi (de Fernando Jorge e Rubens Venâncio) e Caminho das Abelhas (coletiva sobre a desertificação em Irauçuba)”, explicou Glícia, referindo-se a algumas mostras que estarão presentes no evento. O Festival se completa, ainda, com as exposições Sertão Imaginário (a partir de convocatória) e Os Sertões de José Celso (sobre a passagem do Teatro Oficina por Quixeramobim), além da presença do coletivo de Mulheres da Imagem do Ceará e de uma homenagem ao fotógrafo Paulo Harding.

Considerado um dos maiores fotojornalistas do País, o baiano Evandro Teixeira traduz assim o sertão: “É o coração do Brasil. Especialmente para mim, que nasci no sertão da Bahia, tenho uma ligação muito grande. E não me refiro nem como região, mas como um país místico que transmite um outro lado da realidade do nosso cotidiano. Você volta sempre com histórias incríveis de lá”, enfatizou. “Fascina porque é um local duro de viver, mas que nunca perde a esperança. É seco, mas de uma beleza insuperável. Está no coração de todo sertanejo e é até difícil de explicar. O sertão fascina a qualquer um que esteja aberto a conhecê-lo e, para isso, você precisa, acima de tudo, despir-se de preconceitos”, complementa Beto Skeff.

Serviço


QXAS - I FESTIVAL DE FOTOGRAFIA DO SERTÃO CENTRAL

Quando: de 13 a 17 de março
Onde: Quixadá (Casa de Saberes Cego Aderaldo) e Quixeramobim (Memorial Antônio Conselheiro, Casa do Conselheiro, Sesc Ler, Liceu, escolas municipais e Ponte Metálica)

Outras informações: Qxas Festival (Facebook)


Ações formativas

Para além das mostras, a parte formativa será destacada dentro do Qxas - I Festival de Fotografia do Sertão Central. A fotógrafa portuguesa Ângela Berlinde estará à frente do workshop Uma Imersão Poética pelo Sertão (dias 16 e 17). Já Elza Lima (PA), irá abordar o tema A Indefinível Cor dos Retratos (dias 15 e 16). Também do Pará, Guy Veloso — a partir de sua trajetória — será o convidado nos dias 15 e 16. As inscrições (taxa de R$ 20, cada) estão sendo feitas somente pela internet (link: goo.gl/FxKHcZ).

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural