EMPODERAMENTO

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Empoderamento feminino é a palavra da vez.
Nunca é demais repetir sobre o significado dessa palavra.
Em julho de 2010, a Assembleia Geral da ONU criou a ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. 
Conforme difundido pela ONU Mulheres, empoderar é estabelecer liderança corporativa com igualdade de gênero; tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação; garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa; promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres; apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento por meio marketing; promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.
Mais um Dia Internacional da Mulher se passou.
As redes sociais choveram de posts sobre a importância da mulher, sinônimo de amor, de vida, de beleza, de graça, dentre tantos outros atributos femininos. Outras falaram que não queriam flores, apenas o direito de fazer as próprias escolhas, o direito de igualdade nas relações de trabalho, menos discriminação, mais respeito, equidade, menos violência. 
Várias cidades ao redor do mundo tiveram passeatas e manifestações no mesmo sentido, em especial, contra o abuso sexual.
Até o presidente russo, Putin, recitou poema em homenagem à mulher!
Por outro lado, pesquisas mostram que a participação da mulher em cargos gerenciais no Brasil sofreu uma queda; embora mais escolarizadas, 75% das mulheres brasileiras ganham menos que os homens; o número de mulheres vítimas de homicídio cresce no Brasil, sendo uma mulher assassinada a cada duas horas; o número de mulheres na politica é ínfimo.
Entra ano e sai ano, o Dia Internacional da Mulher evoca sempre as mesmas mensagens, pesquisas e histórias.
Mas é bom recordar que o dia da mulher são todos dias, pois uma mulher é mãe, avó, tia, profissional, dona de casa, empresária, todo santo dia, sem interrupção, e cada dia é tempo para refletir e lutar por esse denominado empoderamento.
Talvez não seja de bom tom focar as conquistas e lutas das mulheres apenas pelo ângulo das pesquisas, das injustiças e das discriminações que ainda são cometidas.
Talvez seja mais produtivo e animador, ao olhar para a frente, olhar para trás e se orgulhar de tudo o que foi conquistado.
Talvez…


*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Conceição Evaristo: 'A literatura está nas mãos de homens brancos'

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão