Patativa do Assaré segue vivo no artesanato de Juazeiro

por 
Álbum de 1999 do xilógrafo José Lourenço traz 20 gravuras contando a história de Patativa do Assaré. (Fotos: Antonio Rodrigues)
Juazeiro do Norte. Cerca de 100Km de Assaré, a figura de Patativa de Assaré também é muito presente na terra do Padre Cícero. O poeta está nos cordéis, xilogravuras e esculturas em dois dos principais pontos de artesanato do Município: o Centro de Cultura Popular Mestre Noza e a Lira Nordestina. Muitos turistas gostam e compram itens com o artista.
Na Lira Nordestina, por exemplo, a vida dele foi tema de um álbum produzido pelo xilógrafo José Lourenço, em 1999. José o conheceu quando era jovem, trabalhando na impressão de cordéis, quando Patativa do Assaré visitava a Tipografia São Francisco, que depois, ele mesmo rebatizou de Lira Nordestina.
Coleção ‘Os grandes nomes do Nordeste’ traz o poeta ao lado de Padre Cícero, Frei Damião, Luiz Gonzaga, Lampião e Antônio Conselheiro.
Em 1998, voltou a conversar com o poeta em sua casa e pediu autorização para criar o álbum de gravuras na madeira. Nasceu o “Vida e Poesia”, com 20 imagens que contam a vida do artista assareense. “Quando o visitei, já comecei a fazer os esboços. Mas, ao sair de lá, eu joguei tudo fora”, lembra o xilógrafo, que, com o contato, teve outra percepção sobre o poeta.
“Ele gostou muito do álbum. Nesse tempo, já não enxergava, mas adorou a ideia. Eu ficava maravilhado com a forma de conduzir a poesia e como ele tinha a capacidade de decorar poemas feitos no tempo da ditadura”, completa José Lourenço. Hoje, suas xilogravuras são usadas também para decorar o Memorial Patativa do Assaré.
 
Já no Centro de Cultura Mestre Noza, o poeta é inspiração para as esculturas na madeira de imburana do artesão Beto Soares da Silva, 46. Ele criou peças nas quais valoriza Patativa do Assaré como agricultor, indo e vindo para a roça, levando a cabaça de água e trazendo jerimum. “Trabalhar com a imagem dele é muito bom. Ele foi uma referência pra nós. Sempre tô vendendo essas pecinhas”, valoriza o artesão.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Assunção: Deus recorre aos humildes

Filme luso-brasileiro com índios Krahô vence Festival de Cinema de Lima

Evento em São Paulo discute as questões do homem contemporâneo

Parabéns, Padre Geovane!

1º Festival de Literatura do Sertão do São Francisco vai homenagear escritor de Petrolina, PE