Ciclo de cinema exibe filmes brasileiros produzidos no ano de 1968

Será projetado também o longa-metragem O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, baseado na história real do assaltante Paulo Villaça que roubava casas luxuosas.
O Bandido da Luz Vermelha, um dos filmes da mostra.
O Bandido da Luz Vermelha, um dos filmes da mostra. (Divulgação)

O ciclo de cinema Nas Telas de 1968, com filmes populares e de produção marginal que vão de Andrea Tonacci e Rogério Sganzerla a José Mojica Marins, Ozualdo Candeias, Luís Sérgio Person e, ainda, Roberto Carlos pela câmera de Roberto Farias, será apresentado peloItaú Cultural de São Paulo nos dias 1º, 8 e 22 de maio.
O ciclo é realizado 50 anos depois de um dos anos mais revolucionários e conturbados do século 20 – 1968 – marcado por transformações culturais e sociais. A seleção de filmes inclui produções brasileiras vistas pelos espectadores nos cinemas do país num período que marcou o ano de 1968, no seu contexto histórico e político e por sua relevância no mercado cinematográfico brasileiro.
Um dos filmes que estarão em exibição está o curta-metragem Bla Bla Bla, de Andrea Tonacci, sobre o pronunciamento de um ditador em meio a uma crise institucional, que lhe escapa do controle.
Será projetado também o longa-metragem O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, baseado na história real do assaltante Paulo Villaça que roubava casas luxuosas de São Paulo. ATrilogia do Terror, de José Mojica Marins, Ozualdo Candeias e Luís Sérgio Person, e Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, de Roberto Farias, também estarão em cartaz.
Durante o ciclo de cinema, de 2 a 4 de maio (quarta-feira a sexta-feira), será realizado o curso O Cinema brasileiro nos anos entre 1967-1974”, com o filósofo e professor da história do cinema Mateus Araújo. A entrada é gratuita.

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Deus, alimento e remédio