Bienal do Livro de São Paulo conterá Estande do Cordel e do Repente

por Diego Barbosa - Repórter

Pelo segundo ano consecutivo, Bienal do Livro de São Paulo conterá Estande do Cordel e do Repente
Um dos maiores eventos culturais do país, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo acontece de 03 a 12 de agosto deste ano, contemplando sua 25ª edição. Com a proximidade da data de realização da feira, a programação vai, pouco a pouco, sendo confirmada, e a mais recente atualização contempla o Nordeste em sua já característica variedade de expressões artísticas tradicionais.
Aprovado via Lei Rouanet e sob a coordenação da Câmara Cearense do Livro (CCE), o Estande do Cordel e do Repente marcará presença na mostra literária pela segunda vez consecutiva e já divulgou suas atrações. No total, mais de 70 nomes - compreendendo escritores, cordelistas, repentistas, cantores, xilogravuristas, entre outros artistas - ocuparão o espaço com a missão de conferir visibilidade ao que vem sendo produzido nas bandas de cá.
Dentre eles, estão os veteranos Adelson Viana, Xangai, Chambinho do Acordeon, Klévisson Viana e Socorro Lira, além de outros que, diante de uma robusta lista de atividades, estarão à frente de palestras, rodas de conversa, lançamentos de livros, oficinas e debates sobre assuntos que contemplam desde técnicas de composição de cordel até narração de histórias infantis.
"Com a iniciativa, queremos novamente levar não apenas o Ceará, mas as manifestações da região como um todo para a Capital mais 'Nordeste' do Brasil", afirma, em entrevista, Lucinda Marquês, conselheira da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura e uma das curadoras do espaço. Com ela, dividem a curadoria os profissionais Arlene Holanda e Marco Haurélio.
Destaques
Um dos grandes destaques da programação do espaço é o lançamento do livro "A História dos Novos Baianos em Cordel", assinado pelo cantor e compositor Moraes Moreira, ex-integrante do grupo musical que intitula a obra. A publicação sairá pela Editora Imeph, também responsável pelo estande.
O momento - marcado para acontecer no primeiro dia da Bienal - contará com sessão de autógrafos e um pocket show, em que serão entoados alguns dos maiores sucessos da lendária banda formada em 1969.
Misturando gêneros musicais como samba, afoxé baião e rock, o grupo nascido na Bahia - formado por Baby do Brasil, Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor e Moraes Moreira - lançou discos antológicos, como "Acabou Chorare", eleito pela revista Rolling Stone como o melhor disco da história da música brasileira, em outubro de 2007.
Recentemente, os integrantes voltaram aos palcos interpretando as já conhecidas canções e prometendo composições inéditas. Os detalhes dessa travessia de sucesso devem permear as páginas da obra com a pegada rústica e singela do cordel.
Para além do lançamento, Lucinda Marquês sublinha que a própria multiplicidade de expressões artísticas no ambiente deverá atrair o público que, em 2016, fez o estande ser o segundo espaço mais lembrado da Bienal pelos visitantes, segundo uma pesquisa Datafolha realizada à época.
"Particularmente, acredito que o que mais encanta no nosso espaço é a beleza da nossa cultura, que sempre atende a todos os públicos", opina. "Por sinal, estamos recebendo vários pedidos de participação de cordelistas que moram em São Paulo, o que comprova a força que temos no evento".
Estrutura
Para dar conta de toda a diversidade cultural daqui, será reservado um espaço de 250 m², onde cada cordelista, de forma específica, terá um ambiente reservado para expor suas criações. Sejam distribuídas em mesas ou alocadas em outros suportes materiais, as produções darão conta de fazer valer a confluência de talentos e inventividades regionais na feira.
Por sua vez, a estrutura denominada carreta-palco - propriedade da Editora Imeph que comporta palco, iluminação e som, própria para apresentações - deverá retornar como um dos grandes atrativos da ornamentação, assim como aconteceu em 2016, quando foi cenário para declamação de cordéis, repentes e apresentações musicais.
"Nossa intenção é fazer um estande simples, mas muito atraente, por isso manteremos praticamente o mesmo formato da vez passada", explica Lucinda. Segundo ela, a expectativa com a ambientação alinhada à proposta tradicional do estande é dupla: tanto almeja fazer com que os artistas tenham seus trabalhos prestigiados quanto busca gerar uma boa renda econômica para eles.
"Em 2016, a estimativa média de faturamento, a depender do número de dias que ficaram na feira, foi de R$ 6 mil para cada artista participante. Eles ficaram muito satisfeitos com o resultado das vendas, recebendo encomendas até depois dos dias de evento", comemora a curadora. "Neste ano, pretendemos que isso se repita, permitindo que nossa rica e apaixonante cultura possa gerar cada vez mais bons trabalhos".

Mais informações:
Bienal Internacional do Livro de São Paulo. De 3 a 12 de agosto no Pavilhão de Exibições do Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1209, Santana, São Paulo). Entrada franca. Programação: www.bienaldolivrosp.com

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Conceição Evaristo: 'A literatura está nas mãos de homens brancos'

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão