Festival Arajara Jazz e Blues, em Barbalha, acontece neste final de semana

por 
A banca caririense BluesIN é uma das atrações. (Foto: Divulgação)
Barbalha. Pela primeira vez, a Terra dos Verdes Canaviais irá sediar um festival de jazz e blues, que promete entrar para o calendário dos festejos do Município. O distrito de Arajara, no sopé da Chapada do Araripe, foi o local escolhido para receber, na próxima sexta feira (29), o Arajara Jazz e Blues. São mais de 12 atrações que subirão no Palco Soldadinho-do-Araripe – em homenagem ao pássaro símbolo da região – até o dia 1º de julho. A entrada é gratuita.
Um dos artistas do festival é o compositor e cantor Luiz Fidélis. O músico caririense possui um repertório de mais de 200 canções e cerca de 25 anos de carreira. Compôs para vários artista brasileiros, entre eles: Elba Ramalho, Dominguinhos, Fagner, Quinteto Violado e Frank Aguiar. Nos anos 90 fez parceria com a Banda Mastruz com Leite, lançando músicas que retratam a vida do cidadão do interior nordestino com repercussão nacional.
Quem também subirá ao palco do festival é a banda Bluesin que buscou um timbre musical inspirado nas origens do blues norte-americano e nos ícones do rock’n roll das décadas de 1970 a 1990. Nascido no enorme celeiro artístico/cultural que é o Cariri Cearense, o trio composto por Pedro Grangeiro (guitarra e vocal), Dion Saraiva (bateria) e Emerson Gomes (contrabaixo) executa interpretações de grandes bandas e artistas como Jimi Hendrix, Led Zeppelin, The Beatles, Eric Clapton e Stevie Ray Voughan.
Tributo
O cantor e compositor Valdi Júnior, natural de Exu (PE), terra de Luiz Gonzaga, é outra atração do festival. O artista fará um tributo a cantor cearense Belchior, morto em abril do ano passado. Filho do músico Valdi Geraldo Teixeira, que atuou junto ao Rei do Baião, Valdi teve contato com a música desde pequeno. Durante a adolescência, conheceu a dança, o break da cultura Hip-hop e foi nesse período que sua cartela musical foi sendo ampliada. O xote, o baião e o xaxado, típicos da sua região, ganharam a companhia de novos ritmos como o Rap, o blues e a MPB.
Trilhas
Durante o festival, quem gosta de se aventurar praticando mountain bike ou fazer aquela caminhada pode se embrenhar nas diferentes trilhas da Floresta Nacional do Araripe. Uma das melhores vistas é alcançada na Trilha do Mirante do Picoto de Arajara, de cerca de 8 quilômetros. Do topo é possível avistar cinco cidades, inclusive Juazeiro do Norte com vista da estátua de Padre Cícero.
Outra trilha bastante conhecida é que passa pelo Cruzeiro do Farias e chega no Picoto da Macaúba, também chamado de Mirante de Seu Mundô, um senhor que viveu até mais de 80 anos dentro da floresta, colaborando com os programas de preservação e estudo do Ibama. O mirante forma uma emocionante passarela suspensa, natural, que feito um “narigão” se insinua no meio das alturas da chapada e pela qual pode-se desfrutar de uma visão privilegiada tanto encosta, quanto da parte ocupada pelas comunidades da encosta e do Vale do Cariri.
Para participar das trilhas é preciso fazer uma inscrição pelos números (88) 9 9936-550 / (88) 9 8106.9944 e pagar uma taxa de R$ 20.
O local
“Arajara” na língua dos índios Kariris, os primeiros habitantes da região, significa: “lugar de fontes de águas cristalinas”. E Arajara é exatamente isso. O distrito fica a 920 metros de altitude, atinge temperaturas de 16ºC durante os meses de junho e julho, e tem entre atrações a Caverna do Farias, uma gruta com cerca de 100 milhões de anos, onde existem registros de vida pré-histórica e de onde jorram cerca de 200 mil litros de água por hora, uma das principais fontes de água mineral da Chapada. Hoje, a gruta faz parte do complexo turístico Arajara Park.
Apoio
O Arajara Jazz e Blues 2018 é uma realização da MB Produções e J A Lima Produções e tem o apoio do Governo do Estado, Sesc, IKnet, Arajara Park, Instituto Agropolos do Ceará, Escola de Saberes de Barbalha, Solibel, Vila da Música e Balaiu’s Comunicação.
Programação
Dia 29 de junho (sexta-feira)
18h30: Terreiro Cultural Arte e Tradição
19h30: Ney Alencar
21h: João do Crato
22h: Luiz Fidelis

Dia 30 de junho (sábado)
19h: Fernando Félix
20h: Flash 92
21h30: BluesIn
22h30: Calazans e Banda Trimurti

Dia 1º de julho (domingo)
16h: Miguel e Iara
17h: Terreiro Cultural Arte e Tradição
18h: Testa de Veludo
19h: Valdi Junior


Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Conceição Evaristo: 'A literatura está nas mãos de homens brancos'

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão