Mostra Sesc de Cinema tem início nesta terça (19), e se estenderá por mais quatro dias a partir de quarta (20)

por Felipe Gurgel - Repórter
Image-0-Artigo-2414710-1
O filme "Onde nascem os bravos", de Daniell Abrew, que integra a programação da mostra
Durante cinco dias, a partir desta terça (19), acontece a segunda edição da Mostra Sesc de Cinema. O evento, de abrangência nacional, reúne 19 filmes independentes para exibição nesta etapa estadual. A abertura acontece às 19h, no Teatro Sesc Emiliano Queiroz (Centro), com a mostra dos filmes "Sob o olhar do poço" (2016, direção de Mário Silva), "Superdance" (2016, de Pedro Henrique) e "Caleidoscópio" (2017, de Natal Portela).
Na sequência, a programação terá continuidade na Unidade Fortaleza do Sesc (Centro), sempre a partir das 18h30, nos dias 20, 21, 26 e 28 de junho. Dentre as produções selecionadas para a mostra, predomina a participação de atores e atrizes cearenses; além da presença de diretores e demais técnicos em audiovisual da capital cearense e do interior do Estado.
As obras selecionadas também foram contempladas com um contrato de licenciamento para exibição pública.
"O contrato dura dois anos, e os filmes podem circular por espaços públicos, seja do circuito do Sesc ou não, desde que a instituição esteja representada (na ocasião da exibição)", explica Antonio Alves, técnico de cultura do Sesc (CE) na linguagem audiovisual.
Os 19 filmes serão examinados por uma comissão julgadora (formada por integrantes do programa de Cultura do Sesc e especialistas convidados), a fim de divulgar, no encerramento da mostra (dia 28), os destaques do evento em diversas categorias cinematográficas. O júri escolherá a melhor "direção", "roteiro", "direção de fotografia", "desenho de som", "direção de arte", "direção de atores" e "montagem".
"A mostra não é competitiva, mas há esse destaque para incentivar os filmes, nessas respectivas atribuições", comenta Antonio Alves. Ele acrescenta que o Sesc (CE) não divulga o nome dos membros da comissão julgadora, a fim de preservar o processo de escolha dos destaques.

Descentralização
O técnico do Sesc (CE) enfatiza que a curadoria procurou descentralizar o perfil da programação, e selecionou, além de filmes feitos em Fortaleza, produções de Juazeiro do Norte (a exemplo de 'Bem vindo a Juazeiro do Norte', 2015, documentário de Ythallo Rodrigues), Quixeramobim, Tianguá e Antonina do Norte.
Antonio acrescenta que a seleção voltada exclusivamente para produções locais é uma diretriz da própria mostra nacional. De 1º de agosto a 1º de outubro do ano passado, as unidades do Sesc em todo o Brasil abriram inscrições para compor a programação das exibições estaduais.

Presença
Indagado sobre como percebe a presença do cinema na programação cultural das unidades locais do Sesc, hoje, Antonio Alves observa que a produção cearense deu saltos quantitativos e qualitativos. "Temos no Ceará vários festivais, mostras de cinema, e isso motiva os estudantes (da área). Os realizadores querem produzir (nesse contexto), usando câmeras de celular, ou qualquer outra plataforma", pontua.
Ele complementa: "vejo com bons olhos esse tipo de produção, até porque, como a gente sabe, o espaço de exibição para essas produções é muito pequeno. A mostra Sesc vem reforçar esse trabalho".

Filmes
Na programação da Mostra Sesc de Cinema, o único longa-metragem a ser exibido será "Onde nascem os bravos" (2017, 85min). Dirigido por Daniell Abrew, o filme traz a história do bandoleiro Mumbaca (interpretado pelo próprio diretor). Afastado do crime e da violência no Nordeste, ele tem sua esposa assassinada pelo cangaceiro Alfinete.
Dentre os curtas, "Cinemeiro" (2016, Gabriel Petter) conta a trajetória do cinéfilo cearense José Wilson Baltazar. Partindo da infância na década de 1940, quando o crítico cinematográfico entrou numa sala de cinema pela primeira vez, o filme aborda a história de vida dele, em paralelo às mudanças nas formas de produção e veiculação cinematográfica.
Já o documentário "O Dia do Silêncio" (2017, Clébson Oscar) retrata o absurdo das perseguições políticas no período da ditadura militar no Brasil (1964-1985). Em 1969, o estudante Eraldo é chamado para responder a Subdelegacia Regional do Departamento de Política Federal em João Pessoa (PB).

Programação
Terça (19), a partir das 19h
Teatro Sesc Emiliano Queiroz
Abertura
(2016, Mário Silva)
• Superdance (2016, Pedro Henrique)
• Caleidoscópio (2017, Natal Portela)
Quarta (20), a partir das 18h30
Sala de Vídeo da Unidade
Fortaleza do Sesc
• Guiana Francesa (2017,Olavo Junior, Edmilson Filho)
• Cinemeiro (2016, Gabriel Petter)
• PiciVetaGem (2015, Geovana Correia)
• Coelho (2015, Wellington Silva)
• Rotinas (2017, Leo Silva, Lucianna Silveira e Thiago Campos)
Quinta (21), às 18h30
• Onde nascem os bravos (2017, Daniell Abrew)
Terça (26), a partir das 18h30
• A Pedra (2016, Alex Hermes e Wellington Gadelha)
• Açúcar Queimado (2017, Ed Borges)
• Apneia (2016, Hugo Damasceno)
• Bem-Vindo a Juazeiro do Norte (2015, Ythallo Rodrigues)
• Iracema (2016, Francisco Carneiro)
Quinta (28), a partir das 18h30
• Memórias do Subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma (2017, Felipe Camilo)
• O Dia do Silêncio (2017, Clébson Oscar)
• Sem título #1 (2017, Isaac Martins)
• Lugar Nenhum (2016, Wesley Guerreiro)
• Felicidade (2015, Antonio Jardel Soares)

Mais informações:
II Mostra Sesc de Cinema. A abertura acontece nesta terça (19), às 19h, no Teatro Sesc Emiliano Queiroz (Av. Duque de Caxias, 1701, Centro). A programação ocorre ainda nos dias 20, 21, 26 e 28 de junho, na sala de vídeo da Unidade Fortaleza do Sesc (Rua Clarindo de Queiroz, 1740, Centro), sempre a partir das 18h30. Acesso gratuito. Contato: (85) 3452.9090

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Pessoas com deficiência ainda não têm assegurados o acesso a bens culturais

Autor revisa história do gênero literário em novo livro

Resgate em caverna da Tailândia pode virar filme em Hollywood

Novo livro de Scholastique Mukasonga, traz o retrato cruel do genocídio ocorrido em Ruanda, na África, em 1994

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural