Flip expande próprios horizontes ao abrir espaços para parceiros

A 16ª edição da festa terminou nesse domingo, com a cara mais diversa nos últimos anos.


Para presidente da Liga Brasileira de Editoras, Raquel Menezes, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes.

Para presidente da Liga Brasileira de Editoras, Raquel Menezes, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes. (Luciana Serra/Estadão Conteúdo)
Enquanto o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, era seguido por "fãs" e discutia numa mesa um tema espinhoso e urgente como a judicialização da política, do outro lado do centro histórico de Paraty um grupo de jovens subia num barco ancorado para debater literatura, mercado editorial e também outros temas políticos. A 16ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) terminou nesse domingo, 29, com a cara mais diversa da Festa nos últimos anos.
Avaliada como "extremamente positiva" pela produção da Flip, a parceria com as casas colaborativas de editoras, veículos de comunicação e entidades floresceu e trouxe mais gente para a cidade. Ainda não há um número fechado, mas a ocupação das ruas era visivelmente maior do que em 2017.
As mudanças têm o dedo da curadora Joselia Aguiar que, desde o ano passado, trouxe a preocupação de expandir os horizontes da Flip, levando mais autores mulheres e negros para a programação principal, mas também oferecendo espaço para editoras pequenas.
"Em 2017, os autores estavam na programação para falar de vários assuntos, não só disso, mas era o que sempre aparecia nas notícias. Como este ano a homenageada era Hilda Hilst, que trata de temas como amor, morte, Deus, as pessoas mudaram a chave", comentou. Para ela, essa face da Flip se estabilizou. "Vai ser assim sempre", disse. A organização não confirmou se a jornalista continua no comando.
Entre as novidades prometidas para 2019, um aplicativo e um painel de LED a ser instalado na Praça da Matriz com a programação de todas as casas parceiras - como os espaços atuam de maneira independente, é difícil acompanhar a lista de eventos ou mesmo produzir material impresso com antecedência. Segundo a produção, 90% dos assentos da Tenda do Autores foram ocupados, com 6.820 pessoas passando ali até o sábado.
O clima entre as editoras independentes era de missão cumprida com sucesso. "Tivemos a Casa Libre e Nuvem de Livros cheia todo o tempo, ápice na homenagem a Marielle Franco", diz a editora Raquel Menezes, presidente da Liga Brasileira de Editoras. "Mais de cem pessoas estavam do lado de fora para ouvir Conceição Evaristo." Para ela, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes.
E um tom nostálgico marcou a última mesa de debates da 16ª Flip, no domingo, 29. Três artistas que tiveram um contato próximo com Hilda Hilst relembraram momentos que ajudaram a compor seu perfil. "Hilda era rock’n’roll, uma mulher irreverente e original", comentou o músico Zeca Baleiro, que lançou um disco com poemas dela como letra. "Apesar de viver um personagem, ela falava com sinceridade", atestou o fotógrafo Eder Chiodetto, que registrou imagens de Hilda para o livro O Lugar do Escritor. "Hoje, percebo que escolhi encenar O Caderno Rosa de Lori Lamby porque é sua obra mais alegre", confessou a atriz Iara Jamra, sobre o trabalho que interpretou nos anos 1990.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Deus, alimento e remédio