Prêmio Kindle de Literatura 2018 vai pagar R$ 30 mil ao vencedor

Maria Fernanda Rodrigues, Impresso
Prêmio Kindle de Literatura chega à terceira edição e anuncia o poeta Antonio Carlos Secchin, imortal da Academia Brasileira de Letras, como o principal nome do júri, formado ainda por profissionais da Amazon e da Nova Fronteira, parceiras na realização da premiação. Nas duas primeiras edições, elas contavam com Geraldo Carneiro e Carlos Heitor Cony para a escolha do melhor romance.
 
Prêmio Kindle de Literatura
 
Mauro Maciel ganhou em 2017; inscrições para a terceira edição do Prêmio Kindle de Literatura começam em 15 de agosto Foto: Julio Vilela
Podem participar autores independentes residentes no Brasil e os romances devem ser inéditos. As inscrições estarão abertas entre os dias 15 de agosto e 15 de outubro. Para tal, o autor deve publicar seu original no Kindle Direct Publishing, a plataforma de autopublicação da Amazon, e cuidar de todos os detalhes da edição.
Enquanto o concurso se desenrola e as obras vão sendo consideradas pela comissão julgadora, elas podem ser lidas e avaliadas pelos leitores – sua performance, aliás, é um dos critérios de avaliação.
“A obra tem que ter viabilidade comercial e potencial de alcançar mais leitores. A performance na loja é um possível indicador desse potencial”, comenta Talita Taliberti, gerente de KDP da Amazon. O envolvimento do autor com a divulgação de seu trabalho acaba ajudando nesse processo.
Para Janaína Senna, editora de literatura nacional da Nova Fronteira, outros dois critérios são a qualidade do texto e, sobretudo, a qualidade da narrativa. “Estamos atrás de boas histórias, de narrativas que prendam o leitor”, comenta. Criatividade e originalidade também serão levadas em conta.
O autor do melhor romance será conhecido na segunda quinzena de janeiro. Ele ganha um contrato para publicar a obra premiada na versão impressa pela Nova Fronteira – e R$ 30 mil de adiantamento de direitos autorais.
Desde que foi criado, em 2016, o Prêmio Kindle recebeu a inscrição de 3.500 obras de 2.900 autores estreantes e experientes. Em 2017, Mauro Maciel foi o vencedor com O Memorial do Desterro. Seu livro será publicado ainda este ano. Na primeira edição, quem ganhou foi Michele Mirabai, com Machamba.

Cultura Estadão

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU