Programação parceira é destaque em balanço de encerramento da Flip

O aumento da programação parceira foi um dos destaques da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) em 2018 e foi considerado "extremamente positivo" por Mauro Munhoz, diretor-presidente da Associação Casa Azul, que organiza o evento. Mauro destacou que a Flip foi concebida para requalificar o espaço urbano do centro histórico de Paraty e se disseminou de forma mais ativa com as casas parceiras.
Em 2018, a festa literária contou com 22 espaços alternativos que ocuparam o centro histórico com programações diárias. Cada um teve uma organização independente, o que fez com que autores de renome e personalidades circulassem em diversas mesas de discussão na cidade.
Clique na imagem abaixo e confira a cobertura completa da Flip 2018:
banner Flip 2018

"Desde o Ocupa Paraty, com 40 instituições locais fazendo uma programação incrível do outro lado do rio, às casas parceiras, colaborando com a Flip e tendo programações independentes e ativando a cidade de maneira absolutamente incrível", pontuou ele, que destacou também as inaugurações da Biblioteca Estadual Maria Angélica Ribeiro e do Cinema da Praça, onde também houve programações culturais durante a Flip.
Para o ano que vem, o plano é criar um aplicativo que possa informar de forma mais centralizada toda a programação que ocorre durante o evento. Além disso, pode ser instalado um telão de led na Praça da Matriz, para que o público possa acompanhar a lista de atrações em tempo real.

Palco Principal

Até a noite de sábado (28), a Flip teve 90% de ocupação no auditório principal em suas mesas, que reuniram 6.820 pessoas. Na tenda gratuita, onde parte do público acompanhou as atrações na Praça da Matriz, a Flip reuniu 9.361 pessoas até a noite de sábado.
Mesa Barco Com Asas, na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip)
Mesa Barco Com Asas, na Flip - Walter Craveiro/Flip/Direitos reservados
O público total da festa ainda está sendo contabilizado em parceria com a Fundação Getulio Vargas. A taxa de ocupação dos hotéis e pousadas variou de 90% a 95%, segundo Mauro Munhoz.
A curadora da Flip, Joselia Aguiar, avaliou positivamente a adoção de novos formatos, como mesas com dois entrevistadores e um autor, uso de vídeos durante as mesas e participação de autores por meio de perguntas gravadas em vídeo.
Joselia também comemorou a recepção de autores desconhecidos no Brasil, como o italiano Fabio Purstela, e o sucesso da mesa da autora russa Liudmila Petruchévskaia, que não costuma dar entrevistas nem falar sobre sua obra em público.
Neste ano, a Flip manteve a diversidade da edição anterior, com uma proporção maior de mulheres e autores negros e negras em relação às edições anteriores a 2017. Segundo a curadora, essa participação vai se manter, e os autores cada vez mais serão convidados a falar sobre os mais diversos temas, e não só sobre questões que envolvem suas identidades. "Vai ser sempre assim", prometeu Joselia. 

*O repórter viajou a convite da EDP, empresa patrocinadora da Flip 2018. 

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU