Festa Literária do Cariri, iniciada ontem e com programação até o dia 10, reúne escritores, artistas visuais e músicos

Ronaldo Correia de Brito lançará Dora sem Véu durante o evento. Narrativa tem como cenário as romarias de Juazeiro do Norte
Ronaldo Correia de Brito lançará Dora sem Véu durante o evento. Narrativa tem como cenário as romarias de Juazeiro do Norte
Muro de lamentações? A indagação pairou no ar durante debate na então I Feira do Livro de Fortaleza - I Febralivro -, em 1994. Na mesa, escritores, jornalistas e editores em um ainda pequeno evento com poucos expositores, mas tendo Jorge Amado como homenageado e um público expressivo.
Discutiam-se questões sobre direitos autorais, falta de leitores e bibliotecas, exploração das editoras, preço abusivo dos livros, ausência de políticas públicas entre outros problemas. Muita saúva, pouca saúde, os males do Brasil são. Ao final, o crítico literário José Castelo achou que o momento era de por fim a tantas lamentações e traçar novas diretrizes para avançar em antigas questões, mas nunca resolvidas.
A Feira do Livro evoluiu para a Bienal Internacional do Livro do Ceará. Outras capitais ou já tinham ou instalaram também suas festas literárias. Com tantas feiras, festas e bienais, infelizmente, o panorama ainda não é dos melhores, mas mudou muito desde 1994.
Pesquisas ainda mostram que ainda não somos um país de leitores. Mas chegaremos lá, apesar dos modismos tecnológicos. E não contem com o fim do livro como apontou Umberto Eco em uma obra do mesmo nome, onde compara o livro com a roda, uma invenção insuperável.
Agora, uma nova festa do livro desponta no Ceará. Ainda um embrião, mas as ambições dos seus realizadores não são pequenas. A curadora Carolina Campos, através da sua empresa Aula-Luz, arregaçou as mangas e, desde o final do ano passado, trabalha na I Festa Literária do Cariri, uma região rica culturalmente com um importante pólo universitário.
A Festa Literária do Cariri ocorre até dez de agosto na Universidade Regional do Cariri - Urca (Crato), na Universidade Federal do Cariri - UFCA e Centro Universitário Leão Sampaio (Juazeiro do Norte) e na Escola de Saberes - ESBA (Barbalha). Reunirá diversas linguagens como as artes visuais, música e butô. A expectativa do público é de duas mil pessoas entre mais de vinte eventos.
O escritor Ronaldo Correia de Brito, autor de Galiléia, uma espécie de gênese do sertão (quando as primeiras famílias chegaram aos Inhamuns, tangendo os rebanhos e brigando pela posse de terra) lança Dora sem Véu, romance cujo cenário são as romarias de Juazeiro do Norte.
Ana Miranda, a homenageada, refletirá sobre Semíramis, romance que se passa no Crato envolvendo personagens lendários, mas singulares quando recriados por ela - Dona Bárbara do Crato é simplesmente dona Babu, vizinha de Iriana, a narradora, e Cazuzinha, é nosso José de Alencar em meio a política, guerras, rancores, mortes, tragédias e amor, muito amor.
Ficção, história, jornalismo, imaginação, real/irreal são questões a serem discutidas com Ana Miranda e Ronaldo Correia de Brito amanhã, 9, na UFCA. O tema: Jornalismo e Literatura ou como cada um conta a sua história, afinal, jornalistas e escritores são operadores da linguagem e onde não existe esplendor, inventa-se.
A Festa Literária terá também os lançamentos da Revista do Dragão nº 2, número voltado exclusivamente para o Cariri; do livro infanto-juvenil, de Carolina Campos, Levado; além da obra do coletivo feminino "Quantas de Nós", representado pelas professoras Cleudene Aragão e Inês Cardoso (esta "filha" de Barbalha), intitulado Rastros de Mentiras e Segredos.
Entre as exposições visuais,Memórias, do pintor catalão Pablo Manyé, ficará permanente no Salão de Atos da Urca. Os demais lançamentos são de cordéis da Academia dos Cordelistas do Crato e de Quadrinhos, do Coletivo Estação 9, coordenado pelo professor Akira Sanoki do Centro de Artes da Urca.
O muro de lamentações tem diminuído, apesar dos muitos problemas e dilemas sobre a leitura no Brasil, mas o livro, primeiro objeto cultural globalizado graças à prensa de Gutemberg, sempre será de importância fundamental para a construção da cidadania ao refletir a cultura, os modos de vida, e, principalmente a memória do nosso povo.
A I Festaria Literária do Cariri chega para agregar e multiplicar saberes e livros no Nordeste brasileiro. Por fim, desde a Academia Francesa, de 1872, e a Padaria Espiritual, de 1892, o livro sempre esteve entre nós. Vida a longa a I Festa do Livro do Cariri.
José Anderson Sandes é professor de Jornalismo da Universidade Federal do Cariri
José Anderson Sandesvidaearte@opovo.com
I Festa Literária do Cariri
Quando: até 10/8Onde: Universidade Federal do Cariri (UFCA), Universidade Regional do Cariri (Urca) e UnileãoInformações: https://goo.gl/FJZPAS

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU