O MEDO E O TERROR

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Na mitologia grega, Afrodite, a deusa mais bela, capaz de envolver todos os mortais e quase todos os imortais com seu cinturão mágico, a instilar a paixão e o amor, era casada com o deus mais feio, Hefesto.
Mas Afrodite era apaixonada pelo deus mais sanguinário, Ares, o deus da guerra, não muito bem quisto entre seus pares, nem mesmo pelo seu próprio pai, Zeus.
Afrodite e Ares mantiveram um tórrido caso de amor, gerando filhos como a Harmonia e também os gêmeos Fobos (Medo) e Deimos (Terror) que, tão sanguinários quanto o próprio pai, sempre o acompanhavam nas batalhas, incitando as carnificinas.
Nos tempos modernos, mais precisamente nos dias atuais, Fobos e Deimos estão mais presentes do que imaginamos, notadamente no estado do Ceará, notabilizado pelas facções do crime organizado que aqui mandam, dentro e fora dos presídios: PCC, GDE e Comando Vermelho.
O fato não é novo. Aliás, é relativamente velho.
Ônibus incendiados. Prédios públicos atacados, inclusive delegacias. Coquetéis Molotov. Tiros.
Fobos e Deimos em plena ação, incentivando o pânico, estimulando o terror.
A explicação das autoridades cearenses não poderia ser diferente: tais atos foram represálias à morte de criminosos em troca de tiros com a polícia.
O Estado foi atuante, operante, diligente, eficaz, está cumprindo seu papel.
Os criminosos, contrariados, reagiram à ação policial.
Tudo bem minimizado.
E assim vamos levando a vida.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
À mercê do capricho das facções criminosas que, por algum motivo, por alguma razão, resolvem espalhar o terror e o medo na população cearense.
À mercê de um Estado incompetente e inoperante, que há muito não tem a menor noção de como lidar com a criminalidade comum, que dirá com a criminalidade organizada.
E nós, cidadãos, mais vulneráveis que nunca, sequer sabemos o que realmente está acontecendo, muito menos quando ou onde acontecerão tais ataques, cabendo-nos tão somente rezar para sermos dignos da proteção de Deus, pois as autoridades há muito são incapazes de garantir a ordem, de cumprir com a missão constitucional e legal que lhes é conferida.
Enquanto isso, Fobos e Deimos ganham cada vez mais força e espaço em um Estado perdido em retóricas, atabalhoado em ações ineficazes, acuado por um poder paralelo intimidante e intimidador, contra o qual não conseguem enfrentar ou confrontar, receosos de instalar bloqueadores de celular em virtude da vindita prometida.
Fobos e Deimos estão a pleno vapor.
*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU