Pular para o conteúdo principal

O Homem de Sempre

Carlos Delano Rebouças*

Em um grupo de Whatsapp do qual faço parte, fizeram uma postagem absolutamente merecedora do repúdio da sociedade. Nela, uma jovem maltratava um cão, pisoteando-o impiedosamente.

Confesso que fiquei apenas nos primeiros segundos do vídeo, por ser forte demais para os meus mais nobres sentimentos. Não consigo conviver com tanta manifestação de ódio e desumanidade que os olhos das câmeras insistem em registrar.

Mas quero com esse triste episódio fazer uma reflexão, aliás, permiti-la. Fazer com que se avaliei o comportamento humano em pleno século XXI. Hoje, potencializado pela tecnologia que nos permite falar, escrever e mostrar o que bem queremos, e sem restrições, estamos nos revelando como o ser mais irracional que habita essa terra. Será que somos pensantes?

Quando assistia aos filmes bíblicos, por exemplo, via atrocidades cometidas pelos que se diziam líderes. Coitados...! Apenas agiam assim porque acreditavam que com a força e o poder, e dando provas de poder, era o único caminho para se conquistar. Acreditava que com o passar do tempo iríamos evoluir. Triste engano!

Retrocedemos no aspecto humanização. Progredimos em outros que mais parecem verdades absolutas capazes de arrancar aplausos e gerar likes, sem importar o que fazemos para isso. Na verdade, nasce uma nova ordem que revela um novo homem, apenas potencializado nas suas mais singulares características, de sempre, sem mais ser surpreendentes.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos. 

Comentários