Pular para o conteúdo principal

Usando a tecnologia com sabedoria

Binóculos, lupas, celulares, computadores, nuvem: como utilizar bem o que Deus coloca em meu caminho?

ZAGROŻENIA ŻYCIA RODZINNEGO
Outro dia me deram binóculos de presente. Ao pegá-los, me perguntei: “Para que serve isso?”.
Na escuridão da noite, eu não conseguia ver nada. Não tinha luz. Tentei ver os objetos iluminados por lamparinas. Eles estavam bem perto. Mas tudo estava escuro. 
Só no dia seguinte, um dia ensolarado, voltei a tomar aos binóculos em minhas mãos e olhei pela janela. De repente, vi o que antes parecia longe. Enxergava tão bem o que estava distante. Parecia tudo tão próximo…
Será que os binóculos tinham conseguido mudar a realidade? Era um passe de mágica? Não, não era! O que antes estava longe continuava longe quando eu deixava o acessório de lado. Meu olhar não via nada sem essa ajuda. 
O funcionamento das lentes parece muito simples. Elas nos aproximam da realidade. 
Meus binóculos me permitem ver o que está longe. Mas não me deixa ver o que está aqui, perto. E assim também é a vida. 
Eu uso os binóculos e me fixo nos defeitos dos que estão longe. Vejo outras vidas distantes que admiro e julgo. Aprecio com clareza as virtudes dos que não estão perto. A distância não me permite aprofundar nem ver os detalhes. Só tenho uma imagem aparente. 
Os binóculos me ajudam a ver o pecado alheio. Mas não me deixam apreciar os meus. 
Não sei se eu deveria deixar de usá-los. Não sei se uma lupa seria melhor. Sim, uma lupa para ver minha própria vida em sua grandeza e em sua pequenez. 
Continuo pensando nos binóculos… Gosto deles porque vejo tantas coisas que, sem eles, é impossível… Penso na beleza que escapa ao meu olhar torpe e limitado, minha visão curta.
Como funciona a magia dos binóculos? Não sei. Mas estou me acostumando a usar coisas mágicas. A tecnologia torna possível o impossível. 
Recebo uma mensagem no WhatsApp sem esperar. Falo com alguém a milhares de quilômetros de distância. Assisto a um filme na tela do celular. Falo com o telefone e ele escreve ou faz o que eu peço. Subo documentos e fotos para a nuvem e posso acessá-los de qualquer lugar – e quando eu quiser. 
Parece magia. E eu me acostumo ao impossível, a usar a tecnologia como algo evidente. E me esforço quando as coisas não acontecem como eu quero. 
Meu conhecimento é limitado. Eu sei disso. Mas dou evidentes avanços, que, antes, eram impensáveis. Os binóculos estão distantes dessa câmera do meu computador, que me aproxima daqueles que estão a milhares de quilômetros. 
Creio que a tecnologia está a serviço do homem. E não o contrário. Não estou a serviço de meu celular, do meu computador nem da nuvem. Sou muito mais importante do que tudo o que eu tenho. 
O Papa Francisco já disse: “Jesus, ao mesmo tempo em que propunha um ideal exigente, nunca perdia a proximidade compassiva com os frágeis, como a samaritana ou a mulher adúltera”. 
Jesus olha longe. Observa com seus binóculos. Mas logo se aproxima – com sua lupa – do que sofre. 
Ele vê o bem e o mal. O erro e o acerto. Aprecia a dor e a alegria. Porque muitos extremos se mesclam na alma. Quase se confundem e acontecem no mesmo segundo. E Jesus vê tudo.  E quer que eu também veja tudo e o ame. Com meus binóculos. Com a lupa da misericórdia. Com o microscópio que vê todos os detalhes da generosidade que passa desapercebida aos olhos humanos.
Preciso de ajuda para ver mais. Preciso usar mais meus binóculos – e com sabedoria. E minha lupa. E me aproximar, guardando uma distância saudável. Como fazer isso?

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…